Sobre o Setembro Amarelo

Sobre o Setembro Amarelo

A vida de todos é repleta de altos e baixos, pessoas boas e pessoas ruins. Há quem nos alegra e motiva a seguir na busca por nossos objetivos. Há quem nos apoia com um ombro amigo em qualquer tipo de situação. Há quem nos manda verdades ‘na cara’ para que possamos sair da inércia. Mas há também quem nos oferece apenas julgamentos, palavras de desmotivação, formas de nos deixar tristes e decepcionados e dedos acusatórios sendo apontados.

Temos inúmeros momentos bons e prazerosos durante a vida, nos quais somos verdadeiramente felizes e dos quais nunca mais iremos esquecer, mesmo que se passem cem anos. Porém, temos também vários momentos ruins, nos quais a dor, a tristeza, a agonia, a ansiedade, a culpa, o medo, o estresse, o sofrimento e uma série de outros pensamentos e sentimentos ruins são inevitáveis. Eles simplesmente aparecem (e acontecem). Sente-se um vazio dolorido no peito, uma vontade de fugir para bem longe e sem rumo – na tentativa de fazer com que a dor diminua (nem que seja um pouco) – e uma vontade de jogar tudo para o alto e acabar com tudo.

Eu já ouvi de meus amigos próximos coisas como “eu quero sumir daqui!”, “não aguento mais” e até “seria melhor morrer”. São muitas as ocasiões em que falamos coisas sem realmente pensar sobre elas – elas apenas saem da nossa boca. Penso  que isso pode ser, inclusive, uma característica cultural – um grito inicial para que possamos dar o primeiro passo na resolução de certos problemas. Porém, para muita gente, tal sentimento é limitador e definitivo.

Então o que fazer quando a sensação de impotência é tão grande a ponto de transformar aquela vontade em um ato real?

O ato real é, em muitos casos, o suicídio. Sim, o suicídio!

E, pelo estranhamento que tal palavra pode causar ao ser abordada, em um primeiro momento, não se tem dúvidas de que o ato ainda se encontra em uma situação de tabu. Porém, segundo o portal Setembro Amarelo, cerca de 32 brasileiros são mortos por dia vítimas do suicídio, o que significa que mata mais do que doenças como AIDS e a maior parte dos tipos de câncer.

É muita coisa, não acham? E a gente nem fica sabendo dos casos, visto o suicídio ser um mal silencioso. Isso ocorre porque, dentre outros motivos, temos a tendência de esconder sentimentos ruins, mantendo-os para nós mesmos por receio de preocupar os outros com nossos problemas ou, ainda, por não sabermos dar uma definição para os nossos sentimentos. Muitas vezes acreditamos que não valemos a pena e não queremos ser um “peso” na vida dos outros. E, certamente, é muito mais fácil fugir do assunto e não pensar nos motivos para aquela situação de descontentamento estar presente do que encarar o problema de frente e tentar encontrar uma solução, por mais dolorosa que ela pareça no momento.

E o suicídio não é uma solução. Por isso, o movimento ‘Setembro Amarelo’ surgiu.

Setembro Amarelo é uma “campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio, com o objetivo direto de alertar a população a respeito da realidade do suicídio no Brasil e no mundo e suas formas de prevenção”. A campanha é mundial e acontece durante todo o mês de setembro. Há ampla divulgação, principalmente nas redes sociais, por elas terem um alcance gigante. É por isso que você já deve ter visto e lido muita coisa sobre o movimento nos últimos dias.

E é por isso, também, que eu achei ser tão importante abordar um pouco do assunto aqui no Moderando. Nossa recepção por aqui tem sido linda e recebemos diariamente visitas de pessoas com motivações e realidades diferentes, então, se, com essa chamada, uma única pessoa seja atingida (pessoalmente ou simplesmente pela reflexão acerca do problema), eu já fico satisfeita.

A campanha também nos fornece o dado de que 9 em cada 10 casos poderiam ser evitados, segundo a a Organização Mundial da Saúde. Nove vidas são perdidas por questões que poderiam ser resolvidas se não houvesse tanto medo ou desconhecimento sobre o assunto, tanto pela própria pessoa quanto pelas pessoas próximas que não enxergam os sinais e ideias suicidas.

Então eu peço para que vocês falem, falem e falem sobre o movimento e, principalmente, sobre o assunto.

E falem também sobre seus sentimentos, inclusive sobre aqueles ruins, que nos fazem sofrer, chorar e que, muitas vezes, não entendemos e não temos ideia do motivo para estarmos sentindo aquilo.

Eu sei que não é uma tarefa fácil – muito pelo contrário -, é extremamente difícil. É mais fácil manter tudo escondido lá no fundo da alma e do coração. É mais fácil não pensar, não falar, não fazer esforço para tentar explicar para uma outra pessoa algo que nem faz sentido para você mesmo.

Nada disso é fácil, mas é preciso.

É preciso que você encontre alguém para conversar. Alguém que entenda as suas atitudes e sentimentos. Alguém em quem você consiga confiar e que esteja disposto a te ajudar a enfrentar o momento difícil. Alguém que caminhe ao seu lado.

Você precisa deixar que a pessoa faça isso. Precisa se abrir com essa pessoa e deixar ela te ajudar.

E você também precisa se lembrar: você tem várias qualidades. Você vale a pena. Você tem alguém no mundo que te ama, que se importa com você e que, com certeza, irá sentir a sua falta.

Imagem: 1

  • Recentemente, eu descobri que existe Setembro Amarelo!
    Adorei ler sobre isso aqui, acho que falta divulgação na mídia sobre.

    Boa semana <3
    Beijos!
    http://www.blahoestraich.com.br

  • Bruna, que texto incrível! Amei saber dessa iniciativa e desse projeto, tenho certeza que ele vai ser um foco e uma grande ajuda para muita gente. É muito triste ver tantas pessoas sem amor, não sendo feliz e querendo desistir da vida. Acho que há tantos caminhos nesse mundo, podemos percorrer por tantos lugares. Desistir é uma coisa tão pesada, tão desnecessária quanto a gente possui várias portas para se abrir! Amei sua iniciativa de trazer esse projeto para suas leitoras. Acho que a mídia deveria expor muito mais ações como essa!

    http://www.kailagarcia.com

  • Confesso que não sabia da campanha até esse ano, quando na minha percepção foi mais divulgado nas redes sociais e tal.
    Muita gente foi contra, disse que só um profissional poderia ajudar as pessoa próximas a essa situação, mas eu acho tudo balela. Quantas vezes só de conversar sobre o problema ele não parece menor? Quantas vezes a gente vê até que aquele problema não era tão enorme assim? Então essa ajuda mútua que podemos oferecer pode sim ser muito válida.
    Adorei o seu texto e concordo: Cada ser é único e vale a pena!

    beijo
    beinghellz.com

  • Babe, acho essa ideia do setembro amarelo tão importante, O povo ainda vê esse tema como um tabu, algo difícil de acontecer e que quando acontece as pessoas julgam demais. Não é legal.

    Adorei o post.

    Beijos, Camila.

  • Não sabia do Setembro Amarelo, mais olha, que bom que existe! Tomara que essa campanha cresça pois o mundo esta precisando disso, são tantas pessoas desistindo por tao pouco! Bjos

  • Eu descobri o Setembro Amarelo nesse mês mesmo, através de blogs. Eu achei linda a intenção, suicídio é algo, que eu creio, que se passa na cabeça de muita gente, eu já tive essa ideia por anos, me perseguia, e a sensação é horrível.
    E o pior, é ver gente que apenas crítica e não tenta ajudar, dar amor, ver o que a pessoa necessita.
    Adorei teu post, é ótimo saber que tem gente que divulga e tenta mudar isso.
    Beijão,
    radioactivebookss.blogspot.com.br

  • Oi Camila, estou achando super bacana toda essa conscientização sobre o suicídio que a campanha Setembro Amarelo tem trazido. Lindo o seu texto, temos mesmo que ficar de olhos abertos, os dados da Organização Mundial da Saúde são alarmantes!

  • É um assunto bem delicado, acho que Setembro amarelo deve investi bastante nesse assunto. Muitas pessoas ignoram isso > http://www.seteprimaveras.com

  • Que texto maravilhoso! Eu sempre tentei ser o mais empática possível em relação a problemas psicológicos, mesmo quando eu não entendia absolutamente nada sobre. O dia que esse mal veio até mim e eu me vi sem saída, eu pude perceber como é desesperador, e como em um pequeno deslize nesses momentos de crise podem te levar a fazer o pior. Depois disso, eu tento cada vez mais conversar com pessoas nessa situação, porque sim, nós podemos ajudar e muito! Uma conversa sincera, algumas palavras positivas e o mínimo de apoio são importantes para tirar alguém dessa situação. Eu apoio demais o Setembro Amarelo e concordo que sim, nós temos que falar sobre isso, afinal acontece toda hora, na nossa frente.
    Parabéns por abordar esse tema de uma maneira tão leve e objetiva!

    Beijos,
    http://thinkvm.blogspot.com.br/

  • Leilane

    Poxa vida! Se eu já conhecia eu tinha esquecido dessa campanha, obrigada pelo post.
    Um abraço!

  • Jéssica

    Antes de mais nada quero te parabenizar pelo teu blog, já adicionei na minha lista de leitura, é simplesmente incrível e muito profissional!
    Quanto ao post, já conhecia o movimento e acho muito importante porque só o que vemos é gente pensando em tirar a própria vida como se fosse o único caminho. Quando mais jovem eu achava que suicidio era uma coisa “maneira” (cabeça de adolescente) porque via tanta gente tentando, se cortando por nada e achava que era algo “normal” mas conforme fui crescendo fui vendo que é algo que não devemos fazer e nem permitir que outros façam. TUDO o que pudermos fazer por alguém devemos. Meu namorado já pensou em cometer, o pai dele, minha prima cometeu e sim, precisamos ficar sempre muito atentos.
    Ótimo post.
    Valeu a pena Esperar | Canal no Youtube

  • Bianca

    Um abraço imenso para todas as pessoas que conseguiram tornar real esse projeto maravilhoso.

  • Um abraço imenso para todas as pessoas que conseguiram tornar real esse projeto maravilhoso. E que mais e mais vidas possam ser preservadas e salvas através dessa corrente do bem. ♡ xoxo Blog B de Bia

  • Confesso que eu só fiquei sabendo do setembro amarelo esse ano, porém vi que ele foi começado em 2014, então não é tanto tempo assim e to muito feliz com essa divulgação toda dessa campanha. Eu mesma já passei por um momento bem difícil e pensei logo em suicídio mas, graças a Deus, nunca tive coragem de agir e contribuir para esse ato. Então, já postei o lance do coraçãozinho amarelo no Facebook (como você provavelmente deve ter visto) e to adorando espalhar amor para as pessoas do meu Facebook. Algumas pessoas que apareceram lá nos comentários do post, eu fiquei até surpresa, porque são pessoas que eu não tenho tanta intimidade, mas tenho o que falar sobre a pessoa, sabe? Adorei o post, Camila! E saiba que você também, quando quiser desabafar, pode me chamar que eu to quase sempre online, hahaha!

    Beijos!

  • Eu só fiquei sabendo do Setembro amarelo esse ano, por campanhas e divulgações no fb. Achei muito válido todo essa divulgação e as conversas que a campanha tem gerado. Ainda que seja um assunto tabu, difícil (e até doloroso) de conversar, creio que a longo prazo pode gerar bons frutos. Só da gente se conscientizar a estar mais atento a quem está ao nosso redor, dar mais atenção aos sinais e procurar/encaminhar algum caso para ajuda profissional, já vale muito!

  • Me sinto envergonhada por ler um post sobre o Setembro Amarelo somente hoje, dia 22, praticamente no final do mês. Este assunto ainda é um tabu mesmo. Visto como “drama” por alguns. Obrigada pela coragem e por dispor do seu tempo para escrever sobre um tema tão delicado mas necessário. Beijos de luz <3

  • Oi,
    Texto maravilhoso, eu já sabia do setembro amarelo e divulgo sempre no meu twitter(@albaamartins) . Temos que lutar contra isso, as vezes as pessoas só precisam de um abraço amigo, uma palavra ou uma presença para estar feliz.
    Mas ao mesmo tempo sinto que a mídia não divulga isso, não fazem alertas …

    Beijos.
    http://www.dreamsam.wordpress.com

  • Essa iniciativa é muito boa. Eu adorei ♥

    Beijinhos
    n. // http://www.fashionjacket.com.br

  • Conheci o Setembro Amarelo este ano e é muito importante debatermos sobre o tema. As pessoas precisam saber que não estão sozinhas. Meu padrasto cometeu suicídio e é algo muito doloroso e nunca apaga.
    Precisamos demonstrar o quanto viver é preciso.
    Charme-se