Quem manda na sua vida?

Quem manda na sua vida?

Pare por um momento e pense em todas as coisas que você já fez na vida e em todas as decisões tomadas. Agora me diga, elas foram tomadas levando em conta as suas opiniões, vontades e desejos, ou foram influenciadas por pais, tios, avós, amigos ou até mesmo desconhecidos?

É fato que existem situações em que algumas (muitas) pessoas se acham no direito de opinar e, ainda, julgar umas às outras por terem pensamentos diferentes e, também, fazerem escolhas diferentes que, muitas vezes, nem foram decidas por elas mesmas – é quase como se tivéssemos um loop de decisões em cima de decisões em que a pessoa, no fim, se vê perdida, sem saber o que, no fundo, deseja.

Toda essa coisa tem me deixado pensativa nos últimos meses. Tem muita gente que diria que eu sou uma pessoa influenciável, mas, na realidade, eu me descreveria como insegura quanto a alguns aspectos importantes da vida. Estou constantemente pedindo opiniões sobre coisas que faço, não lido bem com elogios e odeio decepcionar alguém. Antes de perder o controle da minha vida, decidi que precisava mudar e tenho me esforçado para refletir com cuidado sobre muita coisa que antes eu simplesmente delegaria para outra pessoa.

Mas, gente, isso é complicado e o exercício é diário. Então eu decidi escrever esse post e compartilhar com quem é que passe por aqui algumas situações comuns de perder o controle das decisões sobre as nossas vidas. Infelizmente, me encaixo na maioria das situações listadas.

Vestibular e carreira

A escolha da carreira é, sem dúvidas, uma das decisões mais importantes na vida de qualquer pessoa. O problema é que ela é tomada, normalmente, quando somos muito jovens. Por se tratar de uma escolha tão importante e impactante (se trata de o que você vai fazer possivelmente para o resto da sua vida), é natural que se queira ouvir opiniões a respeito – o que é bom, por um lado, pois as opções ficam mais claras e, assim, obtemos uma base maior para a tomada de decisão. Por outro lado, é comum que haja um direcionamento para carreiras vistas pela maioria como “algo de sucesso” – um emprego que pague bem, que dê status, que possibilite crescimento até tal cargo, e tantos outros clichês que vemos por aí.

Quando eu prestei vestibular, não havia muitas opções disponíveis, já que eu não tinha como estudar em outra cidade naquele momento. Sabem o que eu fiz? Isso mesmo, eu pedi para que outras pessoas opinassem dentro do leque de escolhas disponíveis para mim. E, para minha sorte, eu adoro meu curso e as possibilidades que acredito que ele me proporcionará (para quem não sabe, eu curso Administração), o que me faz acreditar que, mesmo com meu questionamento inicial, eu tenha pensado em mim na tomada da decisão. Além disso, eu canso de ouvir que eu deveria ter feito Contabilidade. Sério, parem.

Casamento

Por incrível que pareça, casamento ainda é um assunto polêmico na sociedade, pois muitos acham que você deve fazer o que a maioria das pessoas faz e da maneira com a qual essa maioria faz. Se a pessoa não pensa em casar, ela está equivocada e ainda vai mudar de ideia. Se a pessoa quer um casamento impecável e caríssimo, ela é louca, pois poderia gastar o dinheiro de outra forma. Se a pessoa quer um casamento simples, ela pode se arrepender, já que é o dia mais feliz da sua vida. Se os cônjuges forem do mesmo sexo, é pecado. Se tiver uma grande diferença de idade entre eles, é por tudo, menos por amor. E eu tenho certeza que vocês conseguem dar mais exemplos assim sem pensar muito. Todos parecem ter uma maneira certa para algo que não tem como ser errado, afinal, na essência, a gente faz o que o coração manda.

E, nesse aspecto, eu sou muito criticada por não acreditar que terei, em algum momento, paciência para alguém ‘no meu pé’ 24 horas por dia, já que paciência é uma virtude que eu real e definitivamente não possuo. E, bom, eu tenho 20 anos e deixo a vida acontecer. Você não precisa me dizer toda vez que ter família é lindo. Não há vergonha em mudar de ideia e dar o braço a torcer, mas há vergonha em fazer o que não se quer fazer em escolhas que influenciam a vida de outras pessoas.

Filhos

Vocês já esperavam por essa, não é mesmo? O tema maternidade está sempre em alta, cada um tem sua opinião a respeito e, muitas vezes, ela é aberta para o mundo. O problema surge quando opiniões divergentes não são respeitadas. Certa vez, estava conversando com algumas conhecidas e falei que não pretendia ser mãe e, bom, quase fui crucificada em praça pública por uma delas, que simplesmente não conseguia entender. Em outra ocasião, ouvi que eu com certeza me arrependeria e, quando quisesse, seria tarde demais. Não estou livre do arrependimento, mas, mundo, não coloque uma criança sob minha responsabilidade (o pequeno inocente agradece). No fim, a decisão é minha, então eu terei que conviver e arcar com as consequências.

Ainda no assunto, eu só citei, até agora, a opção de ter ou não ter filhos. Entretanto, com certeza você já ouviu algum caso de uma adolescente ser rotulada como inconsequente por ter engravidado cedo demais. Também deve ter ouvido algo criticando mães solteiras ou, ainda, mulheres que decidiram crescer na carreira antes de formar família. Então eu pergunto: o que é que querem? Pelo que entendo, você deve ter filhos, mas não pode ser cedo ou tarde demais. Hum… Ok né?!

Preferências de estilo

Um dia, lembro de ter ouvido minha irmã resmungando sobre como uma antiga colega de trabalho ficava ironizando suas escolhas de roupas. Ela é do tipo que só gosta de botas e tênis e está feliz da vida que calças jogger estão em alta e, consequentemente, relativamente aceitáveis no nosso mundinho de agora. Isso me faz pensar em como há coisas culturalmente impregnadas no nosso dia a dia que são relacionadas ao nosso estilo pessoa.

Cor de rosa, por exemplo. “Rosa é cor de menina”, “toda menina gosta de rosa”, etc. Eu penso que devo ser um menino, pois nunca gostei da cor em nenhuma de suas tonalidades (principalmente rosa bebê). E, por muitos anos, os móveis do meu quarto foram… rosa! #ironiasdavida. Todo mundo achava o quarto lindo, mas sei lá. Confesso que até hoje tenho algumas coisas perdidas por aqui, *promessa de dedinho* não por muito tempo (#pelomenosérosapink).

E maquiagem? Por que uma mulher precisa usar maquiagem? Ou por que há um tipo para cada ocasião? Por que eu sinto um incomodo toda vez que o assunto é tratado simplesmente por achar que sou um ET por não dominar a arte de deixar meu rosto impecável? Eu gosto de maquiagem e gosto de como me sinto quando estou bem maquiada, mas minha falta de prática (ou preguiça de adquirir a prática) não deveria ser tão… anormal. E certamente o fato de sair sem maquiagem não deveria apavorar tantas meninas por aí.

Agora pergunto para vocês: quem aí já passou por momentos em que outras pessoas pegaram o controle de sua vida? 

Imagem: 1

  • Eu passo por isso sempre. Por exemplo, eu tenho 22 anos e meus pais vivem me perguntando porque eu ainda não arrumei um namorado (to solteira há dois anos), que já ta na hora e tudo mais, o que eles não entendem é que eu não quero um namorado agora. Aí nas festas de família sempre tem aquela tia que enche o saco perguntando dos namoradinhos e casamento. Sinceramente, muitas vezes dá raiva. Por sorte, todas minhas decisões sou eu quem tomo. Na faculdade errei de curso a primeira vez e por isso mudei, mas tenho consciência de que a culpa foi minha. Meu pai só brigou pq ele que paga né kkkk mas eles sempre me apoiaram em tudo. Só são chatos nisso de namorado ¬¬
    hahaahahah
    beeijos

    http://www.marinaalessandra.com

    Camila respondeu:

    aaaaaaah, as tias/tios que perguntam dos namoradinhos, quem nunca sofreu com isso? hahaha. Sobre a sua primeira escolha da faculdade, você viu que errou e assume isso, e é justamente isso que devemos fazer, ninguém está livre do erro.Que bom que seus pais te apoiam sempre, ainda que fiquem bravos às vezes hahaha (faz parte).
    Beijoooos, Marina!

  • Na minha infância e adolescência teve muitas influências por parte dos meus parentes. Queriam me enfiar dentro da igreja de qualquer jeito, mesmo contra a minha vontade.
    A minha sorte é que meus pais nunca me obrigaram a nada! E nunca me pressionaram para decidir nada o que achei muito legal.

    Mas, entendo aqueles que vivem com uma família que não apoia sabe?
    Vc tem que ter uma profissão igual ao do seu pai ou mãe.. Deve se casar antes de tal idade, tem que ter filhos só depois do casamento e por aí vai =/

    Eu adorei sua publicação

    Camila respondeu:

    Oi Clayci, muito obrigada pelo carinho! 🙂

    Que bom que seus pais te apoiam e não te obrigam a fazer o que você não quer, já é um bom caminho andado, quando vier aquelas pessoas chatas que querem te obrigar a fazer alguma coisa, eles vão te defender, não é mesmo? haha

  • Mimis, eu super concordo contigo nessa coisa de que parece que tem algumas pessoas que, além do desejo de definir coisas para a gente, também querem meter o dedo no período em que elas devem acontecer nas nossas vidas. É muito cansativo. Eu já vivi por anos fazendo coisas que não foram decididas por mim, e confesso que ainda sofro com algumas, mas já melhorei bastante, como tu bem sabe, hahaha. O importante é tomarmos consciência, no fim das contas.
    Besitos, mana!

    Camila respondeu:

    Siim, Bru, as pessoas querem até decidir até quando temos que fazer as coisas! Tipo, saaaaai daqui!!! hahahaha

    Sei que era assim mesmo, mas sei teus motivos e sei também o quanto tu já mudou, (pra muito melhor) e espero seguir pelo mesmo caminho, wish me luck, sis!

    Besitos ;*

  • Amei o texto, parabéns..
    Beijo
    😉
    http://www.umalindapromessa.com/

    Camila respondeu:

    Muito obrigada, Gessica! Beijos 🙂

  • Bárbara Marques

    Acho que toda a gente já passou por situações dessas. Sempre me ensinaram que a nossa liberdade acaba quando começa a liberdade dos outros. Devíamos aprender a ser mais respeitadores 🙂

    MY KIND OF JOY

    Camila respondeu:

    Super concordo com você, Bárbara! Devemos deixar as pessoas fazerem o que acharem melhor, ainda que as opiniões e decisões sejam diferentes das nossas. Afinal, a vida é de cada um, não é mesmo? O segredo é sempre o mesmo, ter respeito 😉

  • Eu gosto muito de ouvir a opinião de quem eu amo, pois saberei que sempre serão sinceros, mas depois que amadureci mais eu passei a entender que ouvir é uma coisa e passar por cima dos meus sonhos é outra. Tenho 25 anos e tenho tentado parar de me importar com os rótulos e o padrão da sociedade. Eu sou formada em administração, que bom que está gostando do curso, beijão
    Charme-se

    Camila respondeu:

    Isso mesmo, Simone, ouvir opiniões diferentes das suas é bom, o problema começa quando se torna excessivo e que vão ajudar em nada, principalmente vindos em forma de julgamento.

    Que ótimo encontrar uma quase companheira de profissão por aqui! Beijão!

  • Daniella Dias

    Não tem jeito.
    Por mais que eu tente, sempre tem alguém querendo dar pitaco na minha vida.
    Mas eu ouço e não me deixo influenciar.
    Gostei muito do texto do seu ponto de vista.
    Parabéns!

    Dany
    Breshopping da Dany
    http://www.brechodanylins.com.br

    Camila respondeu:

    Muito obrigada, Dany!

    Você estar certa, escutar e pegar o que acredita que é válido para você, mas não deixar se influenciar pelas opiniões/julgamentos dos outros.

  • eu confesso que não dou pitaco na vida de ngm justamente pra não receber na minha, sabe? Mas, sempre aparece algum parente indelicado falando asneiras e eu como não sou de ficar calada dou patada, pq sério. Se eu quisesse opinião eu pedia, como não quero eu penso: fica na sua!
    Adorei a reflexão de todo post!
    bjoka http://diadebrilho.com

  • Eu vivo num constante dilema entre me estabilizar e sair por ai viajando pra sempre hahaha difícil essas escolhas


    Beijos
    Brilho de Aluguel

  • Nossa, não teve uma linha que eu lesse e discordasse de você (em questão de opiniões, claro). Sério, eu nem sei o que comentar, eu me vejo totalmente nesse texto, claro que adequada às minhas necessidades (por exemplo, eu namoro e to 24h por dia com ele, mas já falei que só caso se eu tiver o meu quarto e ele o dele hahaha) . Onde eu moro não tem influência nenhuma sobre carreira, quase ninguém daqui faz/fez faculdade então só ficaram falando “nossa, mas é longe” “o centro é perigoso” “ta na hora de arranjar um emprego” (to procurando estágio) e tem coisas que as pessoas NÃO entendem de jeito nenhum! Mas a melhor maneira de lidar com isso é simplesmente ignorar mesmo, viu. Hoje em dia a gente pode viver a vida fora dos padrões impostos, mesmo com certa pressão!

  • Oi Camila, tudo bem? =)
    Gostei muito do texto e me fez refletir bastante, bastante mesmo!
    Realmente a escolha da carreira é muito complicada e foi uma situação muito difícil para mim, confesso. Aliás, ainda é. Apesar de já ter me formado, não sei se era isso mesmo que eu queria sabe… E isso, é bem frustante às vezes, ou na maioria das vezes… Mas, nunca é tarde para começar de novo não é mesmo?!
    Muito bom o post, parabéns pelo texto! =)

    Amore, tem post novo lá no blog, te convido a vir conferir! =)

    Beijos
    Amanda Z.
    http://www.diariodelooks.com

  • Que top esse texto, na verdade todos são!
    Percebo que ultimamente as mulheres estão começando a mudar sue ponto de vista, seja ao uso de make, a Alicia K não usa e algumas famosas estão indo sem salto para os eventos de gala. É um começo contra a ditadura derramada sobre as mulheres… Mas ainda tem muito para se mudar.