Precisamos (e vamos) falar sobre dinheiro

Precisamos (e vamos) falar sobre dinheiro

Nossa vida é envolvida por essa palavrinha nada inofensiva: dinheiro. Seu conceito está presente no lugar que moramos, no alimento que ingerimos, na diversão que nos proporcionamos, na aula que estudamos, nos conhecimentos que adquirimos e transmitimos, no trabalho que executamos. Mesmo assim, ele ainda é visto como tabu por muitas pessoas – pode ser rude ou vulgar discuti-lo, ou, ainda, podem pensar que você está se gabando ao tocar no assunto dependendo da maneira com a qual o aborda.

Nossa relação com o dinheiro diz muito sobre nossa personalidade e visão de mundo – o que pode justificar seu status tabu. Nossa relação com o dinheiro pode nos deixar vulnerável, pois ela conta nossa história de vida e revela nosso conceito de bem estar. Consequentemente, não costumamos conversamos abertamente sobre o assunto em termos numéricos. Falamos muito sobre o ato de gastar (“comprei uma televisão maior”, “a conta de energia elétrica está cara”), entretanto, de uma forma geral, perguntar sobre salários ou mensalidades escolares pode causar embaraçamento.

Ao mesmo tempo, insistimos no lanche da tarde no trabalho dizendo que fica “apenas 15 reais por pessoa”, sem saber que nosso colega está atrasado com o aluguel e que essa quantia faz diferença para ele no fim do mês. Gastamos 50 reais em um dia de cinema no shopping, mas achamos caro comprar alimentos orgânicos diretamente do produtor local. Julgamos nossos conhecidos que viajam bastante sem saber quais sacrifícios eles fizeram para isso. Compramos um jeans exageradamente caro, pois “é de marca”. Deixamos de fazer uma mensagem relaxante – 100 reais é dinheiro demais! –, mas durante o mês gastamos mais do que essa quantia em coisas que nem conseguimos lembrar.

Faz sentido?

Não, não faz. Nós, no Moderando, acreditamos que muita gente não sabe controlar suas finanças pessoais justamente por não ter espaço para falar abertamente sobre dinheiro. Muitas pessoas podem viver por anos tomando decisões erradas simplesmente por terem receio de discutir o assunto, compartilhar seus erros e aprender com os outros. Por isso, nós também acreditamos que uma relação saudável com familiares, parceiros e/ou amigos próximos deve proporcionar uma abertura para tratar do assunto de forma honesta. Quando a relação é boa e verdadeira, podemos falar sobre tudo, inclusive temas pouco abordados ou polêmicos.

Nossa relação com o dinheiro tem que ir muito além de encontrar os investimentos mais rentáveis nas instituições financeiras para “guardar dinheiro” ou “fazer uma poupança”. Nossa relação com o dinheiro precisa acontecer todos os dias. Temos que ter plena consciência do que queremos e do motivo pelo qual isso é importante para nós. Temos que julgar menos o estilo de vida dos outros e nos preocupar apenas em conhecer o nosso. O dinheiro tem que ser uma coisa boa nas nossas vidas, não a razão da dor de cabeça diária.

Quando decidimos ser honestos sobre nossas finanças, muitas coisas legais podem acontecer: aprendemos mais quando debatemos com outras pessoas; torna-se mais provável atingirmos nossos objetivos financeiros; nossas relações se estreitam; podemos nos desculpar por erros cometidos no passado, curar nossas finanças e começar de novo.

E é por isso que seremos transparentes aqui.

É por isso que vamos falar abertamente sobre dinheiro. O Moderando é nosso espaço de trocas de experiências relacionadas com finanças pessoais. Queremos relatar desde situações vergonhosas de gastos desenfreados a realizações de sonhos. Queremos ser abertas sobre esse assunto tabu e ajudar a abrir os olhos de quem quer que esteja precisando. Queremos dominar a arte de autocontrole sobre nosso dinheiro. Queremos poder sonhar. Queremos nos inspirar com o maior número de pessoas possível. Queremos moderar para não nos privar.

Você pode compartilhar sua vivência em blogmoderando@gmail.com ou entrar em contato pelo formulário.

Imagem: Unsplash

  • O meu problema como dinheiro é que eu sempre gasto com comida, como demais apesar de não ser acima do peso(por enquanto), sou do tipo “mas é só 5 reais esse salgado”, quando vi no final do mês estou sem nada e não comprei nada de útil para mim. Fico bem frustada com isso,
    Adorei a ideia
    Escritas de Verão

  • Só de ler esse texto já estou gostando demais!
    Vou acompanhar tudo! <3