Os 10 tipos de pessoas que parei de acompanhar nas redes sociais

Os 10 tipos de pessoas que parei de acompanhar nas redes sociais

Não é de hoje que eu tento simplificar minha vida. Um tempo atrás, eu contei aqui no blog que sofro de ansiedade (aparentemente controlada nos últimos tempos) e que, em decorrência disso, várias coisinhas que outras pessoas nem observam podem fazer com que eu passe o dia chorando. Infelizmente, não é exagero. É um exercício contínuo, então, descobrir o que me faz bem e o que piora a minha situação.

Vocês também sabem que, nos últimos tempos, eu venho destralhando a casa, tendo começado pelo meu closet. É impressionante o quanto desapegar de coisas tem me deixado mais leve. Nada mais junto do que estender a prática para outros setores da minha vida, não é? Foi aí que comecei a dar atenção a minha ‘vida’ virtual. Uma caixa de e-mails lotada e desorganizada pode me causar estresse, assim como o constante compartilhamento de notícias sobre determinado assunto pode me irritar pelo resto do dia.

Nas últimas semanas, portanto, tenho dedicado uma pequena parcela de tempo do meu dia para uma “faxina virtual”. Parte dela precisou ser forçada, já que troquei meu notebook velho por um computador novo e me recusei a transferir os arquivos sem olhar do que se tratavam. (Não quero mais pastas e pastas de documentos que não preciso.) Porém, como consequência, acabei fazendo A Limpa nas minhas redes sociais.

Eu percebi que, algumas vezes, após ler meu feed do twitter, reclamava sobre o quão chata uma pessoa era. Outras vezes, após dar uma olhada no feed do instagram, ficava chateada por não compreender o porquê de algumas pessoas serem absurdamente vangloriadas por coisinhas. E sempre, após dar uma olhada no facebook (rede social em que todo mundo opina sobre tudo), ficava com uma sensação ruim de que o mundo estava perdido.

Isso tudo me fez pensar no tipo de informação e de entretenimento que eu estava consumindo, já que tais aspectos impactam diretamente na minha vida e são responsáveis pela forma com a qual eu evoluo como pessoa (ou regrido). Não fazia sentido seguir pensamentos/pessoas/tendências que divergem do meu ideal só porque ‘todo mundo’ estava vivendo daquela forma. Um segredinho: nunca é ‘todo mundo’; nunca alguém está sozinho. E, quanto mais o tempo passa, mais eu valorizo o meu bem estar.

Felizmente, hoje é bem simples silenciar algum contato, desativando o recebimento de notificações ou dando unfollow. Desta forma, podemos continuar com um vínculo formal nas redes sociais (como nos casos em que adicionamos ou seguimos por ‘educação’ ou para não criar um clima chato — quem nunca?), o que é ótimo para uma pessoa como eu (vocês nunca vão me ver entrar em conflito com alguém).

Minha meta agora é que meus feeds se resumam a coisas, informações e pessoas que eu quero ver ou consumir, por acrescentarem positivamente em algum aspecto na minha vida. Desta forma, foi necessário ponderar sobre as coisas que poderiam estragar o meu dia ou me deixar com qualquer nível de irritação ou estresse e descobrir o padrão em comum entre elas.

Eis os 10 tipos de pessoas que eu optei por não mais acompanhar nas redes sociais:

  1. Pessoas que compartilham apenas notícias e opiniões negativas. (Inclui ainda pessoas que mandam comentários como “com tanta coisa acontecendo no mundo, vocês compartilham isso?” em notícias felizes.)
  2. Pessoas que eu nunca realmente conheci, mas que, por algum motivo incerto, entraram no meu feed. (Como aquelas que aparecem no resultado de alguma pesquisa minha e eu dou follow para olhar a informação depois, mas sempre esqueço.)
  3. Pessoas cujo padrão de vida é totalmente diferente do meu. (Como os ~influenciadores digitais~ que viajam para o exterior todos os meses e que nunca se preocupam em mencionar o quanto o look do dia custou. Nada contra essas pessoas, claro, mas não me sinto inspirada com elas.)
  4. Pessoas que fazem com que eu me sinta inadequada. (É quase como o anterior, mas focando mais no fato de fazerem com que eu sinta que preciso mudar, me vestir de um jeito específico ou apoiar determinadas causas.)
  5. Pessoas que simplesmente me irritam. (Às vezes a gente só não vai com a cara de alguém.)
  6. Pessoas que mudaram seu estilo de vida para melhor, mas que fazem textão todos os dias contando sobre o quão mais ‘evoluídas’ elas são. (É daí que vem meu ódio gratuito por crossfit, por exemplo.)
  7. Pessoas que passam o dia TODO compartilhando qualquer tipo de coisa. (“Só dá fulano no feed,” eu penso. Normalmente são memes.)
  8. Pessoas que fazem piadas em excesso sobre assuntos importantes para mim. (Não me venha falar que planta sente dor.)
  9. Pessoas que compartilham coisas que eu considero inapropriadas. (Como um vídeo de seu bebê tomando banho, fotos de um acidente de carro na região e curtidas em imagens de bundas da mulher tipicamente brasileira.)
  10. Pessoas que pensam que estão sempre certas.

Eu não entrei em muitos detalhes porque não é meu objetivo aqui, visto que cada um de nós encontrará diferentes padrões. Porém, é claro que eu tenho uma razão certa para ter optado por esses grupos de pessoas. Inclusive, ninguém aqui precisa concordar com as minhas colocações e escolhas, ou até mesmo achar que faça sentido. Temos gostos e inclinações diferentes, então é possível que eu -pessoalmente- ou este blog estejamos na sua lista.

A questão é: nós somos o que consumimos, então, se não gostarmos do que estamos vendo, ou lendo, ou ouvindo, é melhor parar por aí. As redes sociais não estão disponíveis para que agrademos uns aos outros, mas sim para facilitar nosso contato com pessoas que gostamos ou admiramos e aprendermos sobre o que realmente tivermos interesse. E, não sendo algo obrigatório em nossas vidas, é um absurdo que nos cause estresse ou irritação.

Receber tantas atualizações vazias pode afetar nosso humor e, inclusive, nossa saúde. Faça questão, portanto, de que tudo o que você vê e lê e ouve em suas redes sociais seja exatamente o que você quer e o que te deixa confortável.

Vamos ter dias mais leves e alegres?

Imagem: 1

 

  • Estou para perfis de dietas/fit assim como você tá para o de crossfit. Aff, quis seguir alguns inocentemente, mas chegou a um ponto que o efeito já tava ficando negativo demais… parei de seguir vários! 🙁 e tô contigo em vários outros pontos!

    Bruna respondeu:

    Sim, exatamente! E é uma pena que, às vezes, a gente acabe fazendo uma associação ‘errada’. 🙁

  • Bru, não é a primeira vez que concordo com você e sinto que não irá ser a última, né? :p
    O facebook eu já abandonei, tenho o perfil pro meu namorado usar a fan page dele lá, mas, não suporto. E eu passei a evitar essa rede social pra não precisar excluir as pessoas, pois eu comecei a fazer isso e depois eu me senti mal. As pessoas não têm limites, é isso.
    Nas outras redes sociais eu só acompanho quem eu realmente gosto e admiro. Twitter é lugar pra falar besteira e esse é o meu objetivo, desabafo e xingo horrores por lá, mas tenho apenas meus amigos, então leio apenas pessoas sensatas (ou não hahaha).
    Instagram é a minha segunda rede social predileta, amo fotografia e é por lá que perco algumas horinhas olhando registros lindos, mas nada luxurioso, sabe? Paisagens são as que mais costumo ver (e não esquecendo dos animaizinhos <3 hahah).
    Não curto perfil fit, me faz repensar em cada chocolate abençoado que como sem culpa, então não me faz nadinha bem!

    Beijão, mariasabetudo

    Bruna respondeu:

    Hahah eu posso ficar horas no instagram vendo tudo quanto é coisa (inclusive ele é a minha primeira fonte de consultas para viagens ou outras pesquisas quaisquer, como restaurantes). Mas, olha, antes da minha limpa eu cheguei bem perto de excluir o facebook (o problema era ficar sem o grupo de estudos). Sei lá o que aconteceu com o povo, mas ficou too much, né?
    Beijos!

  • Concordo que ninguém é obrigado a lidar com aquilo que não gosta, e que saber evitar ajuda a manter a estabilidade emocional, porém também acredito que se manter numa bolha pode ser um problema. Você sempre vai acabar lidando com coisas que não gosta ou não te fazem bem no dia a dia e, se não souber lidar com elas, no fim vai te causar mais estresse, talvez numa quantidade que desencadeie uma crise.
    É sempre bom manter uma quantidade saudável, eu tenho algumas pessoas no meu feed exatamente para exercitar a tolerância, porque tenho medo de me tornar alguém intolerante e não saber reagir ao me deparar com coisas diferentes.

    Bruna respondeu:

    Sim, Jade, eu concordo contigo. Até por isso usei termos como “apenas”, “totalmente”, “todos os dias”, “excesso” e outros. Eu não mantenho só cópias minhas no feed. Há nele, todos os dias, opiniões variadas sobre muitas coisas. Sou completamente a favor de debates e discussões provindas de posicionamentos diversos acerca de um assunto qualquer, e também adoro o fato de que cada um de nós possui vivências únicas — tudo isso nos faz crescer, né? 🙂 Eu quero ver e ler e ouvir sobre essas diferenças, desde que abordadas de maneira respeitosa. Porém, todos os padrões que eu citei aqui, sendo extremos, caem na minha linha comum de “não sou obrigada”. (E foram neles que eu não pude observar aspectos positivos.) Então talvez não tenha ficado claro no texto, mas penso ser importantíssimo mantermos essa ‘quantidade saudável’, como você mencionou. Obrigada pela colocação!

  • Adorei o seu post, é sempre bom equilibrar as redes sociais. Eu já não tenho mais paciência para explicar e nem manter ninguém “por educação” no meu facebook.
    Deixa eu contar que eu melhorei muito quando parei de seguir alguns “influenciadores digitais”, chegou em um ponto que eu me sentia mal por não poder ter aquele padrão de vida! A gente tem que manter somente o que nos faz bem, sejam pessoas ou objetos…
    Nós nascemos para sermos felizes! Eu adorei seu post!

    Carol | Pink is not Rose

    Bruna respondeu:

    Verdade, Carol! <3

  • concordo com vc! nosso feed e para alegrar o diaaa! nao amargar <3 so o que gostamos, inspira e emociona <3
    http://www.tastemycloset.com/

    Bruna respondeu:

    Sim! 🙂

  • Muito bom! Uma faxina virtual respinga bastante em nossa vida real. Às vezes, tabém faço uma limpa e me sinto bem melhor depois , como uma missão cumprida e mais leve porque de peso já basta muita coisa em nosso dia a dia.
    beijos
    http://www.janeisatomas.com.br

    Bruna respondeu:

    Concordo, Janeisa!

  • Leilane

    Amei o post e me identifico bastante com limpezas digitais. Cansei de sentir uma ponta de stress quando chegava um e-mail de notificação de algum blog que eu não tinha mais interesse, ou de algum vídeo novo que eu não queria assistir e eu não me dava conta que era só me desinscrever, eu tinha esperança que depoooois teria paciência de ver o conteúdo e deixava minha caixa de entrada lotada e me extressava por não dar conta, aí me toquei e comecei a avaliar, se reviro os olhos quando sou notificada é porque eu não quero mais, aí já sei o que fazer. Cansei de aceitar pessoas por educação no Facebook e depois quando queria deletar ficava com a impressão que eu não podia porque eu poderia encontrar as pessoas na rua e poderia “ser engolida por elas” hahahah me incomodava de ter de 800 amigos no Facebook e não ter contato com quase nenhum deles. Por fim, desativei meu Face há alguns meses e se voltar faço uma nova limpa. Já encontrei algumas pessoas que deletei e sobrevivi rsrs

    Bruna respondeu:

    Ih, já deixei muita coisa pra “olhar depois”. Percebi também que, muitas vezes, nem tinha interesse por algo, mas achava que precisava – como vários cursos sobre diferentes assuntos (finanças, empreendedorismo, etc.) Não faz sentido, né? E, como você disse, a gente sobrevive, hahaha (e sobrevive melhor se cuidarmos de nós mesmos).

  • Meu Deus, e sobrou alguém no seu perfil? rsrs
    Pois se eu fizesse isso, não sobraria nenhum…

    Beijos,
    Blog Gaby DahmerFanpageInstagramTwitter

    Bruna respondeu:

    Hahaha, sim, Gaby, sobrou porque eu cortei apenas os casos extremos. Tem muita gente que compartilha notícias negativas, mas não apenas isso. Tem muita gente também que mudou o estilo de vida (até porque, com pessoas na mesma faixa etária que a minha, é difícil não mudar), e até escrevem sobre os resultados positivos que estão tendo, mas não de maneira irritante do tipo “sou-melhor-que-você”. E assim vai indo. 🙂

  • Gostei muito do post!
    Vou fazer isso tb!
    Bjus
    Taty
    Na Casa dos Abrantes
    Canal

    Bruna respondeu:

    Faça sim, Taty! 🙂

  • Boa tarde, tudo bom?
    Menina eu também fiz a limpa nas minhas redes, e muitas tenho parado de visualizar.. e tanta gente “chata” .. tanta gente querendo motivar alguém.. ou virar coach.. kkkkk

    Beijos
    http://www.dreamsam.wordpress.com
    ⚪️ http://www.twitter.com/albaamartins ⚪️

    Bruna respondeu:

    Hahaha, verdade, coach tá na moda.

  • Vamos, com certeza!
    Também ando praticando MUITO o desapego, e logo vou começar essa parte virtual. Sou assim, que nem você, na parte sobre ter pessoas aleatórias e que eu não gosto adicionadas por pura educação. Por exemplo, tem uma menina que não gosto e ela vive curtindo minhas coisas por pura pirraça -.- esse tipo de coisa é um saco. Tô tomando coragem pra excluir a bendita e me sentir mais leve. Unfollow no insta eu já dei há tempos HAHAHAH. Concordo com tudo que você disse. Internet é pra entreter, aprender, divertir, enfim, só coisa boa! Não faz sentido ficar vendo coisas que não acrescentam em nada, isso só traz mais stress pra nossa vida.
    Beijos!

    claramenteinsana.com

    Bruna respondeu:

    Exatamente, Du! Eu gosto MUITO de discutir assuntos com pessoas que apresentam opiniões diferentes (a gente cresce assim, afinal), mas, quando falta respeito, sai pra lá! E, gente, o que é essa menina? Felizmente não tem nada disso por aqui, hahahah.
    Beijos!

  • Realmente temos que filtrar as informações que chegam até nós nas redes sociais, são muitas informações desnecessárias., e pessoas que só querem mostrar vidas perfeitas. O Facebook temos apenas pessoas que conhecemos, mas ainda sim surgem postagens desnecessárias, twitter já não usamos a um bom tempo.

    Beijos

    http://www.onlyinspirations.blogspot.com.br

    Bruna respondeu:

    Bem assim mesmo, né? 🙂

  • OI BRUNA

    eu sempre fico muito encantada cada vez que entrou um pouquinho na sua mente com seus posts. Cara, tu é real mermo? HAHAHAH você tem ideias maravilhosas, segurança nas escolhas e realmente a vontade de evolução/melhoria. Se tivessem mais Brunas no mundo, a gente viveria outra vida, viu.

    Passei também a perceber que o feed anda um saco. Muita coisa ruim, notícias que em nada me acrescentam e gente inútil. Nada que o botão de unfollow no face não auxilie, né? Não precisa excluir de vez, basta não ver a fuça da pessoa HAHAHAH

    Eu tenho muita raiva quando alguém decide postar foto de animais maltratados. Sério, parte meu coração e acaba um pouquinho com meu dia. Não entendo o que tem acontecido com as pessoas que cada dia mais elas têm se tornado urubus atrás da desgraça alheia ._.

    beijo
    beinghellz.com

    Bruna respondeu:

    OOOI HELLZ! 🙂
    Adorei os elogios, e acho que essa é mesmo a Bruna que eu quero ser, hahahah. Cada passo de uma vez, né? Eu montei um plano junto com a minha médica porque minha ansiedade tinha chegado num patamar preocupante, então eu tenho me esforçado pra melhorar e acrescentar ~coisas felizes~ ao meu dia. TENTANDO, hahahah.
    E nem me fala sobre os animais maltratados. Odeio. 🙁 E nesses dias que estão falando só das vaquejadas??! Tá tenso. Mas, infelizmente, eu tenho tido essa mesma impressão sobre as pessoas. Espero que seja coisa da nossa cabeça…
    Beijos!

  • Já te disse que sou apaixonada por suas postagens, não é? Você sempre arrasa, evito seguir a maioria dessas pessoas também, acho que cada um tem sua essência e se encaixa em algo. ❤

    Minuto de Bobeira

    Bruna respondeu:

    Também acho, Kaila! ❤

  • Natália

    Adorei o post.
    Eu achei que planta sentisse dor, tinha lido algo do tipo, mas realmente não lembro onde. Pesquisarei sobre, porque eu detesto não saber alguma coisa. kkk

    Caaaara, odeio essas pessoas que ficam fazendo textão pra mostrar que agora são Gandhi. Me poupe.

    Chiquereza

    Bruna respondeu:

    Nah, achou a informação das plantas? Pergunto porque eu também detesto não saber das coisas (ou saber errado), hahaha. Já li alguns textos dizendo que, sim, elas sentem dor, porém não encontrei nadinha provado cientificamente. É um assunto complicado, né? Mas enfim. Obrigada pela visita! 🙂

  • Muito boa a reflexão. Eu gosto muito de influenciadores fitness/crossfit/dietas entao sigo porque aquilo me agrega e me faz feliz. Por outro lado tenho pavor dos de moda, de look do dia 5x por dia, etc hahahaha Os piores mesmo, pra mim, sao bem esses que você falou, que só reclamam de tudo e/ou cuidam da vida alheia Essa gente não devia ter internet hahaha

    Bruna respondeu:

    Hahaha, eu sigo tudo de yoga e alimentação vegana e sem glúten. Minhas amigas odeiam, acham frescura demais, mas é um hobby meu. E o legal é justamente essa diferença toda, né? Espero que, com o tempo, se tenha mais respeito (com menos imposição). 🙂

  • Yanna

    Ai é muito bom fazer uma faxina na vida de vez em quando né? Com certeza ajuda muito a melhorar nossos dias. Também não gosto de alguns dos tipos de pessoas que você citou, principalmente as que ficam compartilhando noticias ruins o tempo todo, isso acaba nos deixando com uma energia ruim demais kkk
    Beijooos
    Yanna Karim

    Bruna respondeu:

    Ahaaaam, bem assim. Casos extremos são complicados, né? Bjs!

  • Bruninha, que bom que você tem essa ideia. Fico muito feliz. O próximo post (já escrito) que vou postar é sobre redes sociais e as ciladas para relacionamentos. Assim que eu postar, te notifico aqui! Beijos, amor! Obrigada pela visita!

    Bruna respondeu:

    Isso! Me avisa, sim. 🙂

  • Mais uma coisa: Quanto mais essas redes sociais crescem, mais idiotas as pessoas ficam e mais eu percebo que não sou desse mundo!

  • Boa, Bruna! Às vezes a gente precisa fazer uma faxina na vida pra seguir melhor, né? Recentemente eu fiz uma faxina no guarda-roupas e agora preciso parar pra fazer uma senhora faxinha nas redes sociais também e acho que muitas pessoas que vou deixar de seguir nas redes vão sair das minhas listas pelos mesmos motivos que os seus. E PRECISO dizer que tenho a mesma aversão por crossfit (e demais coisas fitness extremas) que você e pelo mesmo motivo e olha que eu trabalho com atividade física. Não tenho 10 centavos de paciências pra textão motivacional diário de “como sou uma pessoa melhor em TODOS OS ASPECTOS agora que passo 4h diárias na academia e só como ovos, frango e batata doce” ou então pessoas tentando convencer você a adotar esse estilo de vida. Absolutamente nada contra, inclusive pratico muita atividades também, mas não consigo ficar sã com isso na minha timeline toda hora. E outros extremos na timeline também me deixam bem desconfortável. Vou fazer esse faxinão já!

    Beijão!
    http://www.heeeymaria.blogspot.com.br

    Bruna respondeu:

    Sim, Ray, por aqui é assim também. Nada contra — inclusive, acho maravilhoso quando alguém passa a amar uma atividade física (associo com mais saúde, maior preocupação em se alimentar bem, diminuição de doenças, menos problemas governamentais em hospitais e, ufa, deu) e também feliz com seus resultados positivos, mas, quando começa aquela coisa toda de papo de vendedor (até porque muitos acabam sendo patrocinados), fico cansada. É gritante a diferença entre alguém que fala bem de determinada prática porque quer que você veja as vantagens e saiba se elas podem te ajudar também, e alguém que está se achando, simplesmente.
    Boa faxina! Hahaha. Espero que te faça tão bem quanto tem me feito. 🙂

  • Sinceramente, acho que você fez o melhor! Esses dez tipos de pessoas que você listou são as piores e também se encontram ativamente no meu próprio feed, preciso seguir o seu exemplo, sabe?
    Tenho ansiedade e também sinto que fico muito mais agitada e irritada se passo muito tempo nas redes sociais, tem cada coisa que nos desanima, pessoas que não valem a pena acompanhar e toda essa energia ruim acaba nos afetando de verdade.
    Beijos!

    Colorindo Nuvens

    Bruna respondeu:

    Sim, Dai, é bem isso. E a ansiedade pode se manifestar de formas que a gente nem entende, né, estão é legal ficarmos atentas nas reações que determinadas situações nos causam. 🙂

  • Tenho todos esses tipos de pessoas no meu feed. E realmente não nos acrescentam em nada.
    Dar unfollow é mesmo um começo necessário para mudar.
    Gostei muito do post! Beijos

    Bruna respondeu:

    Sim, Aline. Obrigada! 🙂

  • Por incrível que pareça, também não sigo perfis assim. Gosto de seguir pessoas com as quais me identifico, gosto do trabalho sabe? Nada pior do que abrir seu feed e dar de cara com algo que você não gosta ou não tem nada a ver com você.
    Beijos!

    Bruna respondeu:

    Também acho. 🙂

  • Não sei muito bem o que falar sobre esse post… Tem pessoas que me irritam nas redes sociais em algumas coisas, mas a gente precisa entender que aquele é o jeito delas, até porque eu sei que um monte de gente me acha irritante nas redes sociais, mas me aceitam como sou.
    Não concordei muito com você, e essa frase final “vamos ter dias mais leves e alegres?” não encaixou, sei lá haha 😉

    https://heyimwiththeband.blogspot.com.br/

    Bruna respondeu:

    Na minha opinião, vai muito além do “aceitar as pessoas como elas são” e do “irritar”. Considerando a minha experiência, a maioria dos meus familiares, amigos e conhecidos são diferentes de mim – eles têm outras preferências, outros gostos, outras opiniões -, mas, mesmo assim, eu continuo querendo saber deles, e eles continuam no meu feed — isso, pra mim, entraria na questão de aceita-los como são. Por outro lado, os casos que citei (observando sempre os advérbios) e limpei representavam pessoas tóxicas. Cada pessoa tem um jeito, sim, mas algumas são desrespeitosas (e, pra mim, respeito é o mínimo). Eu cansei de ver sempre uma mesma pessoa postando foto de conhecidos mortos em acidentes de carro, por exemplo. É algo que eu não consigo aceitar. 🙁
    Então talvez você seja uma das felizardas com círculos de amigos e conhecidos mais ‘humanos’, ou talvez seja uma pessoa que sabe lidar melhor com essas questões, mas, para mim, faz mal. E, com essa limpa, eu tenho tido, sim, dias muito mais leves e alegres (o que encaixa muito bem no meu relato). E eu fico genuinamente feliz por você não precisar de soluções assim. 🙂

  • Olha gostei bastante do que você citou. Nós somos o que consumimos, achei super valido nós nos colocarmos a ponto de conseguirmos nos desfazer daquilo que já não nos acrescenta mais, ou que possa nunca ter acrescentado. Eu cheguei a conclusão que nós nunca perdemos tempo com nada, principalmente, com pessoas. Tudo é aprendizado e pode ser reciclado, nós mesmos podemos evoluir só de escutar uma opinião negativa e termos a atitude de refletirmos sobre a mesma. Lendo o seu texto eu praticamente senti necessidade de fazer essa despoluição visual que é meus feeds de redes sociais. Hoje mesmo eu fiz uma com grupos do facebook. Aquela história de aparecer como notificação o que cicrana e fulana comentou na foto de não sei quem postado no grupo de qualquer coisa, e irrita muito. É no que dá ter manias e ser do jeito que é. Me identifiquei bastante também com o fato de estar, eu mesma, me preocupando com meu bem estar. Gostei bastante da sua reflexão.

    Bruna respondeu:

    Oi Karolini! Esse exemplo que você deu, dos grupos no facebook, é bastante válido. Eu recebia notificações várias vezes ao dia, mas só para perder meu tempo de marcar tudo como lido, haha. O legal é cancelar notificações dos grupos que temos interesse e pegarmos um dia na semana para dar uma olhada nas novidades. Pequenas coisinhas fazem muito a diferença, né?!
    Fico feliz que tenha gostado da reflexão e, principalmente, por estar dando atenção ao seu bem estar. 🙂

  • SIM, SIM E SIM! Cê disse tudo que eu penso, Bruna! Um tempo atrás eu fiz uma limpa no meu facebook também e cara, é incrível como retirar pessoas negativas da sua vida, tanto a real quanto a virtual, te deixa mais leve. As redes sociais foram feitas pros nossos momentos de lazer e, se você entra em alguma delas e sai de lá se sentindo pesada e mal, é porque tem algo de errado, né? Amei o post, como sempre!
    Um beijão,
    Gabi do likegabs.blogspot.com ♡

    Bruna respondeu:

    Muito obrigada, Gabi! <3 E SIM, você tem toda a razão! 🙂

  • Adoro essa forma que a gente tem agora de silenciar ou desativar o recebimento de notificação, isso melhorou minha vida e muito, hahaha! Esse 1º tipo de pessoa é de irritar mesmo, também não aguento. Esse 2º tipo de pessoa vive aparecendo no meu Facebook e aí eu falo “cara, quem é essa pessoa?” hahaha! Esse 3º tipo de pessoa depende muito, tem umas que realmente eu não consigo me inspirar, mas tem outras que eu acho legal a forma como elas passam essas informações e tal, tipo Thaynara OG, sabe? Ah, esse 4º tipo de pessoa eu nem sigo, porque não vai fazer diferença nenhuma na minha vida. Sei bem como é esse 5º tipo. Hahahaha! Esse 6º tipo de pessoa quase que integra ao 4º tipo, porque elas mudam e querem que a gente mude também, mas nem todo mundo é assim né? Esse 7º tipo é muito a minha irmã, vive compartilhando as coisas no feed do Facebook, hahaha! Esse das piadinhas se agrega ao 5º tipo também. Eu deteeesto pessoas que postam foto de acidentes, porque a maioria das vezes que eu não assisto jornal, é por causa disso, porque só vou entrar tragédia e eu não gosto. Esse 10º tipo de pessoa também se agrega ao 5º tipo pra mim, hahaha! Enfim, adorei o post, Bru!

    Beijos!

  • Bru, estava com saudade de passar por aqui, sabia? ❤

    Aliás, já estou me sentindo, porque a senhorita está me seguindo no Insta \o Sou legal HAHA

    Super concordo com tudo que você disse. Como eu odeio o número 9, sério. Desteto ver certas coisas que me machucam ou que me irritam.

    Beijão, babe.

  • acho que o unfollow é uma das melhores coisas que existem nesse mundo virtual, sério. tem horas que a gente vai se lotando de informações e pessoas desnecessárias e vai ficando pesado mesmo de viver, nada melhor que esvaziar a cabeça (e a timeline) e se enxer do que faz bem pra gente.

  • Achei seu post bem interessante, eu estou precisando fazer isso com meus perfil, devo ter uns 3 mil mas mesmo assim, fora coisas que curtia anos atrás e agora não me acrescenta nada.
    Adorei mesmo.
    Super vou indicar.
    Beijos

  • Você não tem noção de como me identifiquei com sua publicação.
    Achei seu blog por acaso nos comentários do blog Sem quases, como gostei do nome daqui vim visitar e dei de cara com esse post maravilhosa que é algo que eu também estou fazendo.
    Me deu até vontade de fazer um post do mesmo assunto lá no meu site, porque acho muito necessário esse “filtro” na nossa vida. Temos que tentar estar rodeados de coisas que nos faz bem, tudo que está em excesso ou te deixa para baixo tem que ser descartado se possível.
    Exatamente isso que venho fazendo, principalmente no feed do meu instagram. Na minha casa só pude fazer um limpa no meu quarto porque estamos de reforma, mas não vejo a hora de limpar tudo que está em excesso também. Só de doar roupas que não uso mais já me sinto mais leve, só posso imaginar a sensação que terei quando limpar a casa toda haha
    beijão, adorei aqui
    Escritas de Verão

  • Ai feeds que só postam memes são bem chatos…concordo com tudo na sua lista, e só acrescentaria feed de revistas. Ai é tudo tão repetido, a mesma foto no feed da Elle, meia hora depois ta no feed da Vogue, bem boring. sem contar que conteúdo que é bom NADA.

    Tenho gostado de seguir feeds que falam de cool hunting, postam sempre imagens diferentonas, algumas da pra gente se inspirar muito, acho legal.

    bom post e boas observações Bruna!
    beijoo

  • Facebook ta cheio de gente assim, por isso raramente entro lá, odeio muito pessoas que ficam compartilhando fotos “marombas” ou de tragedias, serio? E nossa o que me irrita ainda mais são paginas de indireta, qual a importância delas mesmo?
    Belo post, deveria ser lido por mais pessoas, para elas sofrerem alguns impactos do bem.

    Beijão

  • Pessoas que postam coisas inadequadas ou coisas tristes, imagens fortes… estas pessoas eu já bloqueio logo.
    O mundo já tem muita coisa ruim pra eu ficar vendo isso até no meu momento de lazer!

    E pessoas que põe a gente pra baixo… pessoas que só querem ser nossos amigos pra poderem ver as nossas fofocas, ou pra ver as nossas fotos e comentar com os outros como “ganhamos uns kilinhos”… esse acho o tipo mais difícil de identificar (os safados se escondem bem!) mas os mais necessários…
    Gostei muito do post Bru! Pra ter uma vida mais leve precisamos filtrar mesmo!

    Beijos!
    Andréia Campos
    http://petitandy.com

  • Nossa, entendo perfeitamente os motivos de vc ter parado de seguir. As vezes dá até um desespero por acharmos que não nos enquadramos nos padrões de beleza e de vida. É bom deixar só o que nos acrescenta mesmo.

    Beijos ♥

    Jéssica || Fashion Jacket
    http://www.fashionjacket.com.br

  • Bruna, simplesmente amei esse post! Acredito que você vai inspirar muita gente a fazer essa limpa nas redes sociais (pelo menos me inspirou)! 🙂 Deve dar um alívio mental não ver tanta coisa negativa, idiota etc no seu dia a dia!
    Quando vejo alguém que “já deu” no Face (a rede que eu mais fico) eu simplesmente paro de seguir ou avalio se faz sentido ainda ser amiga dela por ali… Pretendo fazer isso em outras redes 😀

    Beijo!

  • Eu também sofro de Transtorno de Ansiedade e uma das coisas que me contribuía para me sentir mal, era alguns posts no facebook que fazem piada de tudo e pessoas negativas e vítimas pessoalmente mesmo. Eu não tinha percebido até então, que eu estava consumindo toda a negatividade dessas pessoas e me sentia péssima depois, Então, umas semanas atrás fiz um limpa no meu facebook, descurti várias páginas que por algum motivo bizarro eu tinha curtido e era pura idiotice e não estava contribuindo em nada para meu desenvolvimento pessoal. Parei de seguir alguns “amigos” também, alguns simplesmente porque me irritavam, como você disse. E foi uma das melhores decisões da minha vida.
    As vezes não notamos, mas coisas pequenas assim, já nos ajudam muito.

    Beijos
    http://orangelily.com.br/

  • Todos os pontos que você levantou são os mesmos que me fazem utilizar as redes sociais apenas, e tão somente, em função do blog e para o blog! Evito ao máximo facebook/instagram. Só acesso mesmo por causa do meu blog. É por essas e outras que eu gosto é de ficar no twitter, onde filtro com mais facilidade o que eu quero ver/falar.

    Beijos :*

  • Meu sonho era poder trabalhar com meu blog e ser uma influenciadora digital, mas se um dia isso fosse possível, eu gostaria muito de não perder minha essência e não virar uma louca consumista, de tentar compartilhar coisas boas e não as desnecessárias. É difícil, porque as pessoas mudam com “poder” e dinheiro, mas esse é o papel delas também, e não virar algo completamente distante da vida das pessoas (com justificativa de “ah, tenho muitas coisas porque sou uma influenciadora digital, vocês não precisam disso”).


    Beijos
    Brilho de Aluguel

  • Aonde aperta pra curtir esse post mil vezes? Eu apoio 100 % tudo o que você falou, e me identifico muito. Esse dias parei pra pensar que as pessoas estão ficando tão vazias e compartilhando coisas nada a ver com nada que comecei a fazer minha faxina também, não só virtualmente como fisicamente. O desapego faz muito, muito bem.
    Já disse que adorei o post? Porque eu adorei o post <3

    Beijos
    http://www.caroldoria.com

  • Ai eu acho que você está super certa em fazer isso!
    Eu mesma deveria fazer o mesmo, limpar um pouco do que vejo para limpar o que penso! ♥
    Eu acho uma ideia super válida, mesmo. Acho que vou por em prática. 🙂

    http://seismilmilhas.com

  • Oi, Bruna!
    Um tempinho sem vir aqui no seu blog e já fico com saudade dos seus textos maravilhosos. Eu tento não me importar tanto em não seguir uma pessoa de volta, mas confesso que meu insta está cheio de perfis que não me interessam e eu sigo só por educação mesmo. Tenho que criar coragem e fazer uma faxina virtual, como você fez.

    Bjos,
    http://helendutra.com/

  • Oi, Bruna! Oi, equipe maravilhosa desse blog maravilhoso! <3
    Lembro de ter conhecido o Moderando quando você (ou a Camila ou o Fernando, haha) deixou um comentário no meu antigo blog e agora que voltei pra esse "mundinho", vim correndo conferir os posts, pois o blog de vocês me passa uma energia deliciosa e isso é o que mais venho buscando na minha vida nos últimos meses. Aliás, isso tem tudo a ver com o post!
    Preciso confessar que estava ficando obcecada pelo o Instagram e isso me trouxe feelings negativos muito pesados que alterou meu humor por um ou dois dias. Nesse dia, eu quase excluí todos os app's do celular, porque senti REAL uma onda de negatividade, sabe? A cada dez posts do meu feed, 7 são de digitais influencers que parecem ter uma vida perfeita e fazem a minha ser uma droga. A partir daí, prometi a mim mesma que me policiaria e evitaria tais pensamentos negativos – não deixaria de usar o aplicativo, mas o faria de forma consciente – . Ainda estou trabalhando nisso, não somente no Instagram, mas em todas as redes sociais que utilizo.
    Seu post é essencial e deve ser um alerta pra todo mundo, pois a internet tem o poder mágico de elevar nossa autoestima e destruí-la também.

    Um beijo!

  • Olha, tá certíssima! Se é algo que te faz mal, te deixa mais ansiosa ainda, é melhor deixar ir. Esse ano eu fiz muito isso. Desde que o debate contra/a favor do impeachment começou que eu risquei muitas pessoas da minha vida. Não escapou amigo de infância, familiar… o que fosse! Se estivesse enchendo o saco demais, era bloqueado ou eu deixava de seguir. Acho que cada um deve sim expor o que quiser, em seu próprio perfil. Não há problemas nisso, mas eu passava muita raiva vendo posts com os quais não concordava. E quando ignorar não estava mais fazendo efeito… cortei de vez. Pelo menos agora eu sou mais feliz. rs

    Beijo grande.

  • Amei a sua lista e, realmente, excluir ou deixar de seguir pessoas desse gênero traz uma paz de espírito enorme. Recentemente fiz uma limpa gigantesca na minha lista de amigos e, cada vez mais, tenho selecionado aqueles que adiciono. Não poderia ter feito melhor, me sinto até mais leve! <3

    Beijos,
    http://victoriafelet.blogspot.com.br