5 dicas para aderir ao minimalismo sem jogar todas as suas coisas fora

5 dicas para aderir ao minimalismo sem jogar todas as suas coisas fora

Nos últimos anos, tenho notado um barulho crescente a respeito do minimalismo. Leio em blogs, escuto na rua e vejo muito no instagram. E faz todo o sentido, afinal, nossa geração é aquela que quer trabalhar com o que ama, que quer ser bem-sucedida e que quer viajar o mundo porque “é melhor gastar dinheiro em experiências, não em coisas”.

Para quem não sabe, o minimalismo como estilo de vida é, de uma forma resumida, um movimento que tem como princípio identificar o essencial em nossas vidas e eliminar todo o resto. Para que tudo isso? Para que tenhamos maior consciência do que nos faz bem e do que acrescenta positivamente em nossos dias. Alega-se também que você, ao aderir ao minimalismo, vai perceber que precisa de muito pouco para se sentir feliz e completo.

Como vocês que leem o Moderando há um tempo podem saber, eu estou buscando um equilíbrio na minha vida aos poucos e constantemente. É bastante natural, então, que eu seja uma das pessoas que gosta bastante do tema. Visito semanalmente o blog Becoming Minimalist (Tornando-se Minimalista, numa tradução livre) para saber sobre as atualizações e, quem sabe, aprender algo novo. E não é só ele; conheço vários blogs sobre o assunto e, toda vez que vejo alguém discutindo a respeito, leio e reflito sobre o que foi dito. Uma das minhas coisas preferidas é entender o pensamento das pessoas e as motivações que as levam a agir de determinada maneira. O minimalismo abre uma janela bem ampla para isso.

Entretanto, o que eu tenho visto muito por aí é um conceito equivocado do minimalismo. É fato que não existe uma regra a ser seguida, pois cada um de nós tem preferências e prioridades diversas em nossas vidas, sendo, portanto, importante refletirmos a fundo antes de qualquer mudança brusca. E é aí que mora o problema. Há muita gente atropelando entendimentos importantes desse processo pura e simplesmente para nos mostrarem, em fotos de um ambiente branco, claro, bonito e com pouquíssimos objetos, que encontraram sua paz de espírito.

E isso me deixa um pouco louca, pois, caso alguém peça para que você feche os olhos e pense sobre o minimalismo, é bastante provável que você veja um ambiente impecável, com poucos – e caros – móveis, dentro de uma paleta de cores básicas (preto, branco, cinza, azul marinho e marrom), que também se aplica às roupas e aos objetos. É como se existisse um padrão para o minimalismo – um padrão que mais complica do que simplifica sua vida, visto o trabalhão demandado para que o ambiente esteja, de fato, impecável, e o constante sentimento de não conseguir ‘chegar lá’, pois, convenhamos, quem é que tem dinheiro para renovar todo o guarda-roupa e substituir a decoração atual por letreiros de neon?

Não estou dizendo que não acho tais ambientes lindos e que não quero minha casa assim também, ou que desisti que buscar um estilo mais simples e com menos peças (mas boas peças) – é claro que eu quero e, inclusive, aos poucos estou dando os passos para chegar lá, no meu ideal. Porém, ninguém precisa de coisas específicas para alcançar a essência do minimalismo. Nós definitivamente não precisamos contar o quanto de cada item temos em casa e, muito menos, delimitar um estilo. Cada um de nós tem seus próprios ‘essenciais’.

Eu acredito que, sim, o minimalismo, em sua essência, pode ser bastante benéfico em nossas vidas. Mas também penso que ele pode ser mais fácil e acessível para pessoas comuns e que ele não requer filtros claros ou que você elimine 75% das coisas que você tem hoje.

Então eu achei que seria legal compartilhar aqui com vocês algumas das práticas que eu estou adotando em minha vida para deixa-la menos caótica e sem excessos e que, bom, são tão simples quanto a vida que eu quero.

1. Mantenha todas as coisas que você gosta.

Qual seria o sentido de se desfazer de coisas que você gosta e que te fazem bem? Talvez você olhe uma daquelas listas sugeridas de coisas para jogar fora e, enquanto faz todo o sentido se livrar de produtos vencidos, roupas que não servem e eletrônicos estragados, talvez você seja como a mãe de uma amiga minha que tem uma coleção enorme de canecas, as quais causam nela um sentimento de satisfação, mesmo que fiquem sem uso na maior parte do tempo. O mesmo vale para quaisquer coleções ou coisas que podem fazer sentido só para você.

No meu caso, posso citar os CDs que adquiri durante a minha adolescência e que, mesmo que faça anos que eu não abra as caixinhas (pois hoje existe uma maravilha chamada Spotify), toda vez que olho para eles lembro do quão bom foi tal período da minha vida e tenho certeza de que me arrependeria de passá-los adiante. O mesmo serve para o número de colheres de silicone que eu mantenho na minha cozinha – eu preciso sim de todas elas, pois, se eu tivesse que lavar uma mesma colher logo após cada uso, minha rotina se tornaria bem pesada, já que eu costumo fazer várias coisas ao mesmo tempo na cozinha.

Porém, se existem coisas que simplesmente estão ocupando lugar, acumulando pó e que não fazem a menor diferença na sua vida, não hesite em jogá-las fora (o que inclui doação e vendas, obviamente).

2. Não se prenda a números.

Eu sempre vejo sugestões sobre o número ideal de itens de determinada categoria que uma pessoa precisa ter. “Uma mulher precisa, em média, de 12 calçados”, “tenha pelo menos duas saias e três camisas de trabalho”, “é importante ter um vestido preto básico” e assim vai indo. Só que todas nós temos rotinas e gostos diferentes.

No meu caso, é totalmente inútil eu ter essas tais saias de trabalho. Nem consigo me imaginar usando. E, bom, eu ainda tenho um número grande de calçados, mesmo depois da limpa que fiz. Só botas são 7, que já andam sozinhas de tanto que eu uso cada uma delas – e isso é só mais uma prova de que não há um padrão para o minimalismo. É claro que talvez elas não sejam todas essenciais, se eu pensar na função que cada uma delas exerce, mas nenhuma fica parada. Além disso, todas têm mais de dois anos, e esse fato – de eu não sentir a necessidade de comprar outros modelos ou substituí-las – me traz um sentimento muito melhor do que se eu estivesse tentando selecionar quais as quatro que teriam que ir embora. E, na minha opinião, isso está bem mais ligado ao minimalismo do que ter um novo armário cápsula, com novas aquisições, a cada três meses.

3. Livre-se do que realmente for lixo.

É um risco que, quando nos empolgamos lendo sobre um estilo de vida mais simples, tenhamos vontade de ir correndo fazer uma limpa no guarda-roupa para retirar tudo que está em excesso. Eu, particularmente, gosto muito de mexer periodicamente nos armários da cozinha, para ver se tem algum produto com prazo de validade próximo e, também, para eu não comprar algo sem necessidade. (Mantemos um nível baixo de estoque aqui em casa, mas vai que meu namorado já tenha comprado, né?!)

Porém, o que precisa mesmo de uma atenção especial aqui em casa é o rack da sala. É nele que ficam boletos, faturas, exames médicos, notas fiscais e os diversos papeis que acabam aparecendo aqui em casa. Eu sei que é bem mais fácil dar um destino certo para cada um assim que eles entram em casa, mas ando pecando nesse aspecto e, também, ainda não consegui encarar o acumulado até agora. Faria muito mais sentido eu usar a energia que uso para, toda vez, olhar os armários da cozinha, em um tempinho para ajeitar de vez todos os papeis.

E tenho quase certeza de que não sou só eu que acabo negligenciando o fato de que há lixo de verdade em casa, e não só excessos. E ele sim precisa ir embora o quanto antes.

4. Seja realista a respeito dos itens da categoria “talvez-eu-use” ou “talvez-eu-precise”.

Quem nunca optou por manter alguma coisa porque achou que poderia precisar dela em algum momento? “Faz 4 anos que comprei essa blusa, nunca usei, mas ela é bonita, então eu vou ficar com ela e começar a usá-la no verão.” Ou, ainda, “a calça está pequena agora, mas vou emagrecer.” “Vou guardar esses papeis para embalar os presentes de natal.”

Muitos de nós somos reféns do “talvez” e, por isso, acabamos acumulando algumas coisas. E, tudo bem, eu já falei aqui que não existe problema realmente em ter muitas coisas, caso você goste delas e as aproveite, mas tem vezes em que precisamos ser realistas e desapegar. As chances de que você vai esquecer de tais coisas no instante seguinte são gigantes.

No meu caso, eu tive um scarpin por cinco anos, usei ele apenas uma vez e, mesmo ele tendo cortado todo o meu pé no único uso que teve, eu insistia em guardá-lo para o caso de eu precisar estar presente em uma reunião diferente (indo e voltando de táxi, claro), caso minha carreira tomasse outro rumo (já que, na minha profissão, o calçado que eu uso não faz a mínima diferença). E eu sempre posso usar uma sapatilha, se for o caso. Manter o scarpin faz tanto sentido quando o fato dos pais do meu namorado, que moram sozinhos, pagarem extra todo o mês por pontos adicionais da Net no caso de receberem visitas (o que acontece duas ou três vezes no ano). Ou seja, não há sentido.

5. Não ache que o minimalismo é a solução para tudo.

Não são muitos os casos de acumuladores ou pessoas totalmente apegadas a coisas materiais ao ponto de colocarem sua saúde ou segurança em risco. A maioria de nós tem coisas em excesso, sim, e podemos melhorar ao ponto de deixar nossa vida mais simples, sem entulhos ou coisas pendentes. Isso, sem dúvidas, vale muito a pena, e eu realmente acredito que nosso estado de espírito tem relação com o ambiente em que nos encontramos e com a forma com a qual encaramos diferentes situações. E é importante termos sempre consciência de tudo o que nos cerca e do que acrescentamos em nossas vidas.

Mas, bom, é claro que o minimalismo pode mudar a vida de uma pessoa, mas, na maioria dos casos, ele vai apenas melhorá-la, o que, convenhamos, já é o suficiente.

Imagem: 1

  • Seus conselhos e dicas são os melhores, Bruna. Esse estilo sem dúvidas é lindo! Minha maior inspiração é a casa da Rayza Nicacio, ela é toda minimalista e ficou linda demais. ❤

    http://www.kailagarcia.com

    Bruna respondeu:

    Nossa, sim, a casa dela é linda mesmo! E obrigada, Kaila! ❤

  • Oi Bruna, eu tenho visto muito esse tema “vida minimalista” sendo associado à decoração ou estilo ~ o que na minha opinião é um grande tiro no pé. Que minimalismo é esse que você tem que se desfazer das suas coisas e COMPRAR novos objetos que se encaixem nessa nova estética? Não faz sentido nenhum, né? As pessoas confundem muito uma decoração mais clean (tipicamente escandinava, na maioria das vezes) com minimalismo. A mesma coisa acontece com as roupas, uma loucura.

    Muito interessante o Becoming Minimalist. Acabei de dar “um pulinho” por lá e já separei alguns artigos que quero ler com mais calma no final de semana. Obrigada pela indicação ~ e pelo ótimo post! :*

    Bruna respondeu:

    Sim, Camila, é bem isso! Eu fico até confusa em abordar o tópico, sabe? Mas é justamente por isso também que eu quis trazer uma discussão aqui e descobrir sobre a opinião de outras pessoas. Obrigada por compartilhar seu pensamento! 🙂
    E que bom que você gostou do Becoming Minimalist! Eu adoro o blog e recomendo sempre que posso, hehe. Outro que eu gosto muito é o Be More With Less. ❤

  • Amei as dicas, eu adoro esse estilo, mas acho difícil seguir pois eu sou meio compulsiva 🙁
    Beijos
    BlogCarolNM
    FanPage

    Bruna respondeu:

    Acho que o importante mesmo é cada um viver com o que faz bem. Para mim é pouco, para você pode ser muito… Sem padrões, né? 🙂

  • Oi Bruna, tudo bem?
    Já li algumas coisas sobre o minimalismo, mas nunca fui muito afundo na temática sabe, mas seu post me despertou uma curiosa de ler mais sobre isso. Gostei das dicas que você citou, até porque, não torna esse “estilo” não difícil de ser realizado, acho que se torna uma transição mais fácil daí sabe.
    Gostei muito do post Bruna, parabéns! =)

    Tem post novo no blog amore! =)

    Beijos
    Amanda Z.
    http://www.diariodelooks.com

    Bruna respondeu:

    Obrigada, Amanda!! E é para ser fácil, sim! <3

  • Acho as dicas 3 e 4 as mais importantes para se aplicar aqui em casa. São cinco mil notinhas de supermercado pela casa toda e sabe-se lá quantas roupas que serão usadas quando qualquer um de nós for emagrecer. Eu tô aprendendo cada vez mais a melhorar isso e apesar de ser uma colecionadora por natureza, tô tentando reduzir ao máximo as minhas coisas… Não necessariamente me livrando delas, mas principalmente me questionando “EU QUERO MESMO ISSO DE VERDADE, SÉRIO DO FUNDO DO CORAÇÃO, NÃO POSSO VIVER SEM?”.
    Se a resposta for não já repenso porque tá difícil!

    Bruna respondeu:

    Isso, Luly, é bem esse o ponto! 🙂

  • Realmente o minimalismo está tomando conta, acho uma ideia legal, aproveitando a “é melhor gastar dinheiro em experiências, não em coisas” que fala por si só, devemos aproveitar melhor a vida e não com as coisas.
    Gostei muito das dicas que você separou, o item 4 é a uma luta minha desde antes o minimalismo virar “Moda”, sempre tento fazer isso com as minhas coisas, para poder doar ou então para abrir espaço, é difícil, mas acabei adquirindo uma técnica com a vida: Ex: Quando faço faxina no guarda roupa e vejo uma roupa que não uso, mais fico na duvida, deixo ela em destaque para tentar usar. Na próxima faxina, ela não foi usada, então é hora dela ir embora.
    Super funciona kkkkk
    Mas enfim, obrigada pelas dicas.
    Beeijos

    http://www.cantinhodathais.com.br

    Bruna respondeu:

    É uma boa estratégia, Thais! 🙂

  • Todas as dicas são muito boas!! Eu já pensei muito no minimalismo, mas o problema, que ia ter que desfazer do meu guarda-roupa por inteiro. Mas, acho que não consigo seguir, gosto muito de comprar coisas novas e diferentes! Mas as dicas são Maravilhosas, ainda mais para quem está em dúvidas sobre esse tema.
    Beijos,
    http://www.dosedeilusao.com

    Bruna respondeu:

    Eu acho que cada um de nós tem um ideal, sabe? Não dá pra aderir a um estilo de vida só porque ele está em evidência. Temos que nos sentir bem antes de tudo (com responsabilidade, claro). 🙂

  • Amei o post, to conhecendo o blog agora e estou adorando o jeito que você escreve cada post!
    Beijos
    http://heybranca.blogspot.com.br/

    Bruna respondeu:

    Oi Branca! Obrigada, fico muito feliz! 🙂

  • O menos é realmente mais.
    Precisando aprender um pouquinho mais com isso.
    Mas não sou apegada a nada então desapegar é muito rápido.

    Bjs
    Blog La Rosa Blanca

    Bruna respondeu:

    Bom isso, né? 🙂

  • Não conhecia esse estilo de vida, mas achei super interessante, adorei as dicas e tem algumas que pretendo seguir 😀

    http://www.sweetexpected.com.br/

    Bruna respondeu:

    Que bom que gostou, Line! 🙂

  • Acho que o mais bacana mesmo é pensar bem antes de adquirir algo, ver se você realmente precisa daquilo e de que maneiras pode usar. Muito bacana a sua lista!


    Beijos
    Brilho de Aluguel

    Bruna respondeu:

    Concordo, Thayse! 🙂

  • Muito boas as dicas! Eu ja uso boa parte delas no meu dia a dia e faz diferença não só no bolso como na organizaçao <3

    Bruna respondeu:

    Sem dúvidas! 🙂

  • A dica 4 é a que mais coloco em prática kkkkk

    Enfim, ótimas dicas.

    Beijos,
    Blog Gaby DahmerFanpageInstagramTwitter

    Bruna respondeu:

    Obrigada, Gabriela! 🙂

  • Olá,
    Realmente precisamos ser mais minimalistas.
    Hoje em dia tudo é exagerado!
    Beijo
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    Bruna respondeu:

    Exagerado, acelerado… Uma loucura, né?

  • É, essa coisa de minimalismo virou uma febre, mas acho que a maioria das pessoas realmente interpreta errado esse estilo de vida. Sem contar que tudo anda ficando muito parecido, tudo no mesmo padrão, um pouco sem personalidade eu acho. Viver com menos, querer menos, TER menos é muito bom, deixa a vida mais pratica, mais leve. Mas só faz sentido se for pra te deixar feliz tbm, se não, não tem graça. Suas dicas são ótimas e bem reais. Como fiz um projeto de #365diasdebrechó fui me adaptando e compreendendo que o menos era melhor, comecei a me policiar sobre o que realmente preciso. Foi uma grande aprendizado de vida, de consumo, de auto conhecimento, acho que hoje o minimalismo faz mto mais sentido pra mim, apesar de eu não abrir mão das minhas estampas lindas e coloridas hahaha. Tudo com equilíbrio é bem melhor né!?

    garimpomag.com.br

    Bruna respondeu:

    Exatamente, Ana! Acredito que o equilíbrio seja a chave de tudo, e ele pode ser diferente para cada um de nós.
    E vou me informar sobre o projeto, me chamou muito a atenção! 🙂
    Beijos

  • o minimalismo está super em alta mesmo, um monte de gente aderindo! adorei suas dicas, aliás suas dicas são sempre muito boas!

    Bruna respondeu:

    Obrigada, Grazi! <3

  • Gostamos muito das dicas, realmente cada um sabe seu essencial não da para seguir uma regra ou lista. As vezes ficamos receosas de se desfazer de coisas que nunca usamos achando que vamos usar depois, mas o depois nunca chega e ai só fica coisa acumulando.

    Beijos

    http://onlyinspirations.blogspot.com.br/

    Bruna respondeu:

    Verdade, gurias. Fico feliz que tenham gostado! 🙂

  • Quando comecei a ver a expressão pela internet, procurei me informar do se tratava. demorei a entender
    que o conceito é diferente da prática, por isso não compreendia bem, hoje já ando tentando
    ser um pouco minimalista, mas confesso que minha caixa de CDs ainda não me desfiz, porque considero raridades e estão arrumadinhos num organizador. Dependendo do ambiente, é preferível menos coisa pra ser mais confortável espaçoso, mas ainda quero coisas que satisfaçam minha visão e desejo de ter porque acho que ficariam bem lá. Já outros eu procuro mesmo me desfazer e não tenho pena de doar, não sinto falta. Acho que aos poucos a gente pode se tornar minimalista e não precisar comprar só porque achou bonito e tornando o ambiente mais fácil e acessível.

    Bruna respondeu:

    Concordo, Ruby! Precisamos buscar nosso equilíbrio. 🙂

  • Amei, amei, amei demais esse post! Eu amo esse estilo minimalista, mas ainda tenho esse problema com o “talvez eu use”, então ainda guardo muita coisa que não precisaria, sabe? Mas aos poucos tô tentando me desfazer delas ^^
    Um beijão,
    Gabi do likegabs.blogspot.com ♡

    Bruna respondeu:

    Que bom que gostou, Gabs! <3 E o importante nisso tudo é pensar no que nos faz bem. 🙂

  • Ótimo post! Lembro que quando comecei a “limpar” meu armário por isso, me incomodavam muito as imposições de números de peças, porque o desapego pode vir de formas diferentes dependendo da pessoa. Entender que eu precisava ter no meu armário (e em toda casa) coisas que eu realmente amava, usava ou significavam algo na minha história foi libertador. Hoje me sinto aliviada de não ter mais tantas coisas inúteis/sem significado e isso refletiu em toda minha vida, mas é preciso mesmo ter cuidado pra não dar um tiro no pé. O minimalismo é um estilo de vida que vai muito além de números e cores. 🙂

    Bruna respondeu:

    Exatamente, Katarina. Somos únicos, então não faz sentido não adaptarmos as coisas ao que nos é ideal. 🙂

  • Bru, que postagem fundamental! O minimalismo é justamente a ideia de comprar menos e ter mais, a ideia de valorizar mais o que já está nos entornos, de repensar sobre pontos esquecidos, de reler. É a tese de não se desfazer antes de tentar reaproveitar ao máximo, a ideia de ser poesia: de enxergar em uma blusa, um casaco; de ver em um papel, uma caixa; de observar sempre além, de ser DIY ambulante, caçando mais autoconhecimento, criatividade e reciclagens. É triste que algo tão valioso para cargas internas e para uma vida mais poética, leve e recheada, esteja sendo confundido com tópicos tão rasos, com uma simples paleta de cores ou fatores semelhantes. É uma delícia chegar aqui e, como sempre, encontrar mais uma reflexão clarificante e impulsionadora. E quantos tópicos fundamentais e enriquecedores! Esse último quesito fechou brilhantemente. Afinal, um colar não necessariamente é algo fútil. Pode ser um lembrete motivacional, um detalhe que alarga suportes com a nossa criança interior ou com um relacionamento e por aí vai. Futilidade é não colocar como prioridade o respeito ao outro, as noções do que é fundamental de fato; é valorizar mais os custos financeiros do que as intenções e afins. O minimalismo leva, justamente, a essas noções, e não a uma que diz que tudo deve ser jogado fora e substituido, abandonando visões que amplificam outras. Você é sensacional e não canso de repetir! Obrigada por essas lindezas que alertam e engrandecem nos melhores sentidos. <3

    http://www.semquases.com

    Bruna respondeu:

    Ai Vanessa, sempre fico sem saber como te responder. Suas palavras me motivam a continuar o que estamos construindo aqui no Moderando (sem falar no fato de que eles enriquecem o próprio post). Adoro sua colaboração por aqui! <3

  • Oi Bruna C:
    Eu simplesmente AMEI seu post. Na verdade a galera está confundindo minimalismo com coisas básicas e clássicas, isso é muita mancada, né?
    Também acredito que você não precisa jogar todas as suas coisas fora, apenas manter as que te fazem verdadeiramente felizes. Um livro que fala disse é o “Isso Me Traz Alegria” da Marie Kondo. Você já viu? Eu comecei a ler e tô curtindo! Acho que você vai gostar também.
    Isso dos números é muito real! É meio que idiota tentar colocar todo mundo num padrão. Praticamente um retrocesso.
    E a parte de “talvez-um-dia-eu-use”? Nossa, muito verdade. Aprendi isso com o “Organize-se Num Minuto” da Donna Smallin (que eu também recomendo MUITO). Ela diz que se você não usou em dois anos, esqueça. Muitas vezes é melhor se livrar disso e comprar outro CASO um dia preciso (o que provavelmente não vai acontecer).
    Beijos!

    claramenteinsana.com

    Bruna respondeu:

    Duane, muito obrigada pelas indicações! Vou, sem dúvidas, atrás desses livros o quanto antes. E, olha, essa última afirmação é muito real, né? Faz sentido manter algo sem utilidade e que nem traz lembranças boas? Tem vezes em que a gente se supera, hein? Hahaha

  • Oi bruna!

    cada vez que eu penso que você não pode se superar, você vai lá e consegue! Sempre trazendo conteúdo realmente relevante, reflexivo, consciente… gosto demais disso <3

    bom… realmente padrões mais complicam do que simplificam e dentro de qualquer estilo de vida que passemos a optar, o importante mesmo é fazer do nosso jeito. Perceber do que a gente precisa, quais as prioridades e o porque de cada uma delas.

    Ainda não atingi o auge do minimalismo, mas de uns tempos pra cá eu tenho sido mais consciente acerca do que eu realmente preciso ou do que eu vou comprar só pra acumular por ser bonitinho. Talvez eu esteja amadurecendo enfim (? HAHAHAH

    beijo
    beinghellz.com

    Bruna respondeu:

    Miga, muito obrigada por todos esses elogios! <3 Fico feliz em saber que eu contribuo, de alguma forma. E, olha, talvez nós duas estejamos amadurecendo, hahaha. Vai saber, né? 😀
    Beijos!

  • Mais um post que simplesmente amei. Parabéns, Bruna! O legal dessas dicas é que cresci com elas, minha mãe sempre fez a gente aprender tudo isso, tanto que hoje me vejo com poucas coisas, mas poucas coisas muito significativas e boas para mim e é claro: úteis hehehe. Todo final de ano costumo fazer uma limpa para dar espaço as novas que podem vir :3

    Bjs, Carol | Espilotríssimo
    http://carolespilotro.com

    Bruna respondeu:

    Obrigada, Carol! Fico muito feliz. <3 E, sem dúvidas, sua mãe fez um bem danado pra vocês, né?! 🙂

  • Acho lindo esse estilo!
    Organizado e clean, né?
    Amei as dicas!
    Beijos

    http://www.utilidadebobagem.com/
    Siga o insta do blog: @blogueb

    Bruna respondeu:

    Obrigada, Diise! 🙂

  • Ai gente eu não sou nenhum pouco minimalista, eu gosto de coisas cheias dos detalhes e tals . Minimalismo não combina muito comigo 🙁
    E Bruna, você já morou no Canadá?? Que deeemais, eu ainda quero poder visitar esse país <3

    https://heyimwiththeband.blogspot.com.br/

    Bruna respondeu:

    Mas nem precisa, Váh! A questão toda está em saber o que te faz bem. 🙂 E, SIM, visite o Conadá!!! <3

  • Eu gosto muito de reaproveitar os objetos que já tenho e dar uma cara nova a eles mudando de posião ou misturando com coisas novas, mas também sou muito desapegada, se não me serve vou logo passando pra frente. Gosto de mais do estilo minimalista e achei suas dicas super válidas!
    Um beijo!

    http://www.impulsofeminino.com

    Bruna respondeu:

    Que ótimo, Thais! E obrigada! 🙂

  • Anete

    Ótimo post!!! Tenho pensado em aderir ao minimalismo ou mesmo o essencialismo, mas não seguindo um padrão e sim o que acho melhor pra mim. Por enqto, tenho comprado menos roupas, pois sempre fui de comprar e depois não usar. Agora só compro o q realmente preciso.

    Beijos/Xoxo.

    Anete Oliveira
    Blog Coisitas e Coisinhas
    Fan Page Coisitas e Coisinhas
    Instagram

    Bruna respondeu:

    Ótimo isso, Anete! A gente acaba vendo mais significado nas coisas, né? 🙂

  • Gosto muito de fazer uma limpa no guarda-roupa e doar algumas coisas. Tempos atrás eu olhava e olhava e não via nada para doar, depois de me aprofundar mais no que é essencial percebi que eu estava estocando coisas que poderiam servir para alguém, coisas que a anos não uso, mas não conseguia enxergar isso. Desapegar é bom e perceber o que realmente faz sentido é um alívio.
    Temos que tomar cuidado para não extrapolar e se livrar de algo e depois fazer comprar erradas. Tenho tentado me regrar bastante neste aspecto.

    Bruna respondeu:

    Concordo com tudo que você disse, Simone!

  • Minimalismo é tudo né? Eu demorei um tempo pra perceber isso. Por exemplo, meu layout eu queria porque queria uma ilustração gigantona de uma boneca me representando no topo do blog, só que eu não sei desenhar, já cheguei a chorar e tudo. Também cheguei a pedir pra uma coreana fazer pra mim uma ilustração, enchi o saco da coitada pelo Instagram. No fim, acabei descobrindo que posso fazer minhas artes digitais no Photoshop mesmo, brincando com fontes e que o visual mais minimalista chamava mais atenção que uma ilustração, porque o visual minimalista vai com o foco total no conteúdo do blog, não só no design né? Eu tiro pelo menos 2x por ano pra fazer essa limpa de jogar fora tudo que só tá aqui acumulando, e sempre que vou fazer essa limpa, encontro váaarias coisas desnecessárias. Nossa, isso dos números eu morreria sem saber, sério. A única coisa que tenho menos é sapato de salto, esses eu conto no dedo, acho que são ao todo 4, porque 2 tenho que levar no sapateiro, hahaha! Eu amo bota e tênis <3 então o meu problema com consumo é sempre que vejo uma bota, corro pra comprar, ainda mais se eu tiver com o dinheiro ali na hora… Hahahaha! Nossa, como eu tenho lixo em casa! Isso eu tenho certeza, porque toda vez que vou arrumar alguma coisa aqui, seja gaveta ou guarda roupas, pego umas coisas que falo "Por que isso tá aqui???" hahahaha! Nossa, isso da calça ficar porque vou emagrecer, tem 5 calças jeans aqui ocupando espaço no meu guarda roupa por causa desse meu pensamento, hahaha! Te entendo e sei que devemos parar com isso, hahaha! Meu avô não era nada minimalista, colecionava tudo que podia e gostava, mas tinha tudo organizado, você não via bagunça no canto dele, então tem casos e casos. Eu sinceramente não vejo a hora de morar sozinha pra poder decorar minha casa ou apartamento do jeito que eu quero, deixar tudo organizadinho e o mais minimalista possível, porque prefiro assim. Enfim, mais uma vez, adorei o post!

    Beijos!

    Bruna respondeu:

    Obrigada, Thami! E sim, concordo contigo, tem casos e casos. A questão é em vivermos da maneira que achamos melhores para nós mesmos. <3

  • Pra mim é muito difícil ser minimalista rs, mas pode ser que um dia isso mude.
    Preciso começar a seguir algumas dicas, mesmo que eu não vire minimalista, vai me ajudar a me desfazer de coisas que não uso.

    Beijos

    Bruna respondeu:

    Hehe, não precisa virar nada, mas ter certa organização faz dos meus dias muito mais felizes. 🙂

  • Eu estou tentando aderir, mas confesso que acho dificil rs
    Adorei as dicas!
    Bjus
    Taty
    Na Casa dos Abrantes
    Canal

    Bruna respondeu:

    Devagar e sempre, Tatiana! 🙂

  • Olá,
    Eu adoro o movimento minimalista, seu objetivo, seus conceitos e a forma que ele interfere diretamente em nossa vida, não somente com bens materiais, mas também com sentimentos e aquela coisa toda. Adorei o post, de verdade <3
    Beijos.
    Nasci Gabriela – http://www.nascigabriela.com.br

    Bruna respondeu:

    Obrigada, Gabi! 🙂

  • O mais difícil para mim é a categoria do TALVEZ. São roupas, sapatos, livros e coisinhas em geral que sempre fico naquela: e se eu precisar? E se eu usar depois? Aí acabo guardando por mais um tempo… E sim, esse limite/normas sobre o que eu preciso é a maior balela. Realmente cada pessoa tem um gosto, uma rotina… uma coisa que pode ser inutil para um, pode ser indispensável p outro! Adorei o post 😀

    beeeijo :*

    Bruna respondeu:

    Exatamente! 🙂 Muito obrigada, Lorraine!

  • Concordo que não deve se prender a regras ou tentar seguir algo, se você não é assim. Essa ideia de guarda roupa ideal mesmo, concordo com você, não faz sentido ter 2 saias, se você não gosta de usar saias, ou ainda, uma sapatilha, que no meu caso, odeio usar sapatilha e coisas assim sabe?
    Eu me considero minimalista mais no sentido de decoração, roupas eu não sou tão minimalista assim.

    Beijos
    http://orangelily.com.br/

    Bruna respondeu:

    Sei sim, Lilian, penso o mesmo. Cada um com suas preferências, né? 🙂

  • Bru, amo as suas dicas, mas aí tá uma coisa que é difícil eu ser: minimalista.
    Se eu te falar que já tentei uma vez você acreditaria?

    Mas acho um máximo a decoração da casa neste estilo. Sempre me encanta muito ❤️
    Quem sabe depois desse post eu volto a investir nesse estilo de vida? HAHA

    Beijão, Bru.

    Bruna respondeu:

    Hahaha, você não precisa ser minimalista, Vivi! Você precisa é ser feliz e se sentir bem da maneira que for ideal do seu jeito. 🙂

  • Amei o seu post e para completar preciso dizer que: as pessoas confundem minimalismo com estilo escandinavo de decoração.
    As pessoas confundem o minimalismo com moda, quando na verdade a “moda” minimalista nada mais é do que um estilo básico.
    Minimalismo é um estilo de vida que vai muito além da paleta de cores… Seu post mostrou muito bem isso. Adorei, parabéns pelo trabalho

    Super beijos Pink is not Rose

    Bruna respondeu:

    Exatamente, Carol. Fico muito feliz que você tenha gostado! Obrigada! 🙂

  • Bruna,

    Gostei da sua visão sobre o tema e a indicação do blog Becoming Minimalist, que eu ainda não conhecia.
    Você resumiu bem o que parece ser a essência do minimalismo: não é sair jogando tudo fora, nem viver em lugares com poucos móveis, produtos tecnológicos, plantas, roupas, etc.
    Acho que como tudo na vida, aqui o fundamental também é o equilíbrio, a temperança. É com isso que tento pautar a minha vida. Sem exageros, mas sem escassez. Sem jogar fora ou vender coisas das quais poderei sentir falta mais para frente. Em relação a isso, sua dica nº 1 tirou da minha cabeça uma dúvida que me acompanhava há alguns anos em relação a vender ou não algumas coisas que são importantes para mim, mas as quais eu não uso tanto assim no momento, por falta de tempo ou de vontade (ou as 2 juntas). Mas são coisas das quais sei que me arrependerei se vender, mesmo que estejam ocupando espaço.

    Como você disse na dica nº 5: “Não ache que o minimalismo é a solução para tudo.”
    Acima do minimalismo, acredito que o equilíbrio seja fundamental, pois é através dele que veremos o que realmente é importante para nós, quais são nossos objetivos e afinidades.
    Não adianta, por exemplo, você falar para uma pessoa que sonha ter uma coleção (de livros, filmes, carrinhos, etc) , que ela deveria ter apenas alguns modelos . Ela não será feliz assim. Ao mesmo tempo, não adianta você querer convencer uma pessoa que não gosta de colecionar coisas que essa é uma atitude importante, que é muito legal, etc.
    Por isso, acho que é muito importante nos conhecermos primeiro. E só então conseguiremos saber o que é importante e o que não faz o mínimo sentido para nós.

    Gostaria de sugerir que você criasse uma newsletter, acho que seria bem legal.

    Abraços!

    Bruna respondeu:

    Oi Rosana! Concordo com tudo o que você falou. É fácil nos perdermos no meio de tanta opinião disponível por aí, então é fundamental que a gente exercite o poder de nos conhecer e de saber o que nos faz bem. 🙂
    E obrigada pela sugestão! Vou, sim, criar uma newsletter para o blog (finalmente!) até o fim desse mês e, aí, te aviso! 🙂
    Agradeço o carinho!!

  • Bru, pra começar preciso falar que seu blog é um dos únicos que tem “textão” que me dá vontade de ler…srsrs. Você sabe muito bem prender a gente aqui hein! rsrs
    Eu já li algumas coisas sobre o minimalismo e realmente minha primeira vontade foi jogar tudo fora e começar do zero! Mas isso não é possível e nem necessário neh!
    Concordo que o minimalismo é buscar o equilíbrio, buscar uma vida com menos perda de tempo sabe…. Adorei as dicas!
    Beijaoo

    Bruna respondeu:

    Oi Tata! Acho que esse foi o melhor elogio que recebi nos últimos tempos! Fico muito feliz em saber que alguém gostou do meu “textão” — e eu juro que tento ser mais objetiva, mas ainda estou aprendendo a escrever, hahaha. 🙂
    No mais, concordo com todas as suas colocações. Nada como ter equilíbrio em todas as esferas da vida, né?!
    Beijos!

  • Eu sempre amei o minimalismo, porém gastava absurdo com roupas, acessórios e decor que NUNCA usava, sério. Início do ano me mudei, troquei de casa, cidade, emprego, amigos etc e não trouxe quase nada comigo. Foi só uma mochila com umas peças de roupas e uns livros que estava lendo e depois disso, desapeguei total! Agora so compro o que realmente vou usar, não gasto com mais com bobagem e por incrível que pareça estou bem feliz! E ainda consegui guardar dinheiro pra viajar nas férias! HAHAHAH melhor coisa do mundo é viver bem com pouco. Beijossss

    http://www.imcitadin.com.br

    Bruna respondeu:

    Nati, eu super concordo com você! Cada vez eu percebo que preciso de menos e isso me traz um alívio inexplicável. Fico feliz em saber que você se sente tão bem assim. 🙂

  • Adorei os conselhos Bruna, eu passo por essa situação de nao saber o que fazer com as minhas coisas, não com as roupas porque eu não compro muitas na verdade, mas com objetos de casa, compro e depois me arrependo porque minha casa é pequena e eu acho que fica aquela poluição visual, to tentando ajeitar as coisas por aqui. Sabe aquelas fomosas faxina de final de ano? Bem por ai.
    Bjs, vou ver os outros post que eu adorei o blog…
    Anny

  • Geisa

    Nossa… adorei!
    Tenho lido bastante sobre o assunto e, sinceramente, ficar contando o número de peças de roupas que tenho não me agrada! rsrs
    Mas, já destralhei todo meu guarda roupa e grande parte da casa…
    Tá faltando o “quarto da bagunça”… e nesse, toda vez que tento entrar, o marido me olha feio! rsrs
    Agora, brincadeiras à parte!
    Gostei de sua abordagem… porque vejo o minimalismo assim… com o objetivo de valorizar o que se tem… de sentir toda a energia da experiência proporcionada pela peça … e não apenas ter por ter…
    Obrigada por esse post! Estarei sempre por aqui!!

    Bruna WB respondeu:

    Oi Geisa. Fico muito feliz que tenha gostado do post! Acho que quase todo mundo tem esse “quarto da bagunça”, né? Esses dias meu namorado começou a fazer uma limpa no da casa dos pais dele e quase deu briga, hahahah. Mas aos poucos a gente vai ajeitando tudo e de uma maneira a deixar o processo todo mais leve e legal, afinal, o propósito de tudo é melhorar os nossos dias. 🙂
    Volte sempre! Vou adorar sua presença por aqui!!

  • Sheyla Valença Xavier

    Bruna
    Estou maravilhada com seu blog, sempre assuntos bons e realistas. Também estou aderindo a essa vida minimalista e vejo como a gente não precisa viver com muito. Amei as dicas.
    Beijos e um excelente dia!
    DMulheres@_sheylaxavierFanpage

    Bruna WB respondeu:

    Sheyla, obrigada! Fico muito feliz que esteja gostando do blog. ❤
    Tenha um excelente fim de semana. Beijão!

  • Vanessa Aparecida Almeida

    Adoro destralhar, só deixo o que realmente eu uso. Não gosto de enfeites,tenho somente um vaso de planta mas cuido com mto carinho que é o lírio da paz.Estou adotando o hábito de lavar a louça após as refeições antes não conseguia era uma tremenda preguiça rs…E viver em ambiente organizado é mto gratificante!

  • Lindo mesmo o seu blog…
    Sobre o minimalismo eu sou adepta a roupas, cheguei à essa conclusão depois de vê o meu guarda roupa tudo preto/cinza kkkkkkkkkkkkk

    Beijinhosss ;*
    Blog Resenhas da Pâm

    Bruna Zbk respondeu:

    Oi Pâm! Muito obrigada, fico feliz que tenha gostado. 🙂