Como saber se está na hora de fazer um detox digital? Veja 6 situações a considerar

Como saber se está na hora de fazer um detox digital? Veja 6 situações a considerar

Pelo tempo de sumiço do blog, creio que os antigos leitores perceberam que nós do Moderando acabamos fazendo um gigante detox virtual, não é?! Shame on us, eu sei, perdãaaao! Porém, eu, Bruna, contarei um pouco sobre tudo aos poucos, visto que foi (e está sendo) um período de muito aprendizado.

A questão é que, falando por mim, desanimei. E não digo que foi com o blog ou a temática dele (jamais!), mas sim de uma forma geral. Estou num longo período transição e definições, e percebi que algumas coisas estavam mexendo negativamente comigo. Precisei de um tempo.

Fato é que eu amo a internet e tudo de positivo que ela proporciona. Eu adoro o propósito das redes sociais, que traz um senso de comunidade e aproximação com amigos ou pessoas que compartilham os mesmos interesses. Adoro também a facilidade de estar atualizada sobre o que quer que eu escolha consumir. Além disso, não é de hoje que são ferramentas fundamentais para empresas, marcas e networking. Todos estão conectados.

E, mesmo com tantos pontos positivos, é fácil fácil abusar do seu uso e se perder no meio disso tudo. Pesquisas recentes sugerem que há uma relação bem forte entre o uso das redes sociais e transtornos mentais. Inclusive, um estudo cita que pessoas que usam bastante das redes sociais apresentam uma tendência significativamente maior de se tornarem depressivas. Se isso não te assusta, confesso que fico triste, já que, quando algo não nos surpreende mais, é porque algo está muito errado.

Fato é que todos nós precisamos desconectar. Uns mais do que os outros. Citei, então, seis casos típicos de alerta vermelho para que você consiga refletir e identificar a necessidade de algum tipo de intervenção.

1. As redes sociais geram comparação.

Eu tenho oportunidades incríveis na vida, mas vocês acreditam que, mesmo com uma viagem marcada para os Estados Unidos – a qual eu sempre fui louca pra fazer –, cheguei a escrever num papel a frase “será que eu estou vivendo o bastante?”. É comum do ser humano se comparar com os outros em quaisquer setores da vida. É comum também desenvolvermos um sentimento de atraso. Contudo, não é normal.

Com as redes sociais é possível saber T U D O sobre o que uma pessoa quer que você saiba dela (com exagero, muitas vezes, vamos admitir). Temos muito mais acesso – e acesso facilitado – a informações que podem fomentar sentimentos de “atraso”. Conquistas e momentos felizes são escancarados na nossa frente.

Eu me sentia atrasada. Eu tentava entender que tenho o meu tempo e cada um tem o seu, mas assimilar isso é um pouco difícil quando sua amiga mais nova já está comprando uma casa e você acha que deveria já ter condições de comprar uma casa também. Eu distorci todos os parâmetros sem me dar conta. Então percebi que pensar que eu talvez estivesse atrasada me fazia perder um tempo precioso de ação para algo de meu real interesse. Percebi também que é muito mais legal simplesmente ficar feliz com as conquistas dos outros, mas, para isso, às vezes temos que passar um tempo longe dos outros e extremamente perto de nós mesmos.

Portanto, se as comparações têm sido constantes ou impactantes na sua vida, uma coisa que pode ajudar é simplesmente bloquear informações e direcionar o seu foco para o seu próprio desenvolvimento. Gaste energia com seu crescimento.

Aproveito para indicar um texto da Camila, do Vida Minimalista, que trata de uma questão sobre a notícia de que o Instagram é a rede social mais prejudicial à saúde mental: “Não, seu amigo do Instagram não tem uma vida perfeita!”.

2. As redes sociais instigam a sensação de que você está pendendo algo.

Conhece aquele sentimento de nervosismo em querer saber tudo o que está acontecendo em todos os lugares agora mesmo? Ou então aquela curiosidade em acompanhar em tempo real a viagem de alguma pessoa? Ou, ainda, atualizar o feed frequentemente para saber qual vai ser o lanche da tarde de tal fulana fit?

Eu nunca cheguei nesse ponto, mas notei que, sempre que perdia a concentração em algo e meu celular estava comigo, abria alguns aplicativos aleatórios só para dar uma olhadinha. Entretanto, se você tem a necessidade de acompanhar tudo o tempo todo, sua dependência de redes sociais definitivamente não está em um nível saudável. Preste atenção nisso.

3. As redes sociais te consomem.

Queria saber quantos % da população, hoje, tem por hábito conferir as suas redes sociais como primeira e última coisa a fazer no dia. Também queria saber quantas pessoas assistem aos stories no Instagram enquanto estão no banheiro. (Na verdade, acho que isso eu não quero saber, não.)

A questão é que parece que estamos vivendo disso. O meu ‘dar uma olhadinha’ consumia quantos minutos no dia? Além disso, mesmo que a gente não esteja com alguma rede social aberta, muitas vezes ainda pensamos nela. Pensamos naquela discussão do grupo do Facebook. Comentamos com nossos amigos sobre a publicação de um conhecido. Tiramos fotos de alguma refeição simplesmente com o intuito de cumprir a tabela de mostrar para os outros depois. Quando estamos com isso na cabeça, fica bastante difícil ser produtivo.

Você já considerou quanto tempo a mais teria se parasse de acompanhar publicações de outras pessoas para saber se alguém postou alguma coisa nova? Ou se parasse de ver frequentemente quantas novas notificações recebeu?

Eu gosto muito de uma frase de uma coach, a Marie Forleo. Ela diz que não devemos confundir “inspiração” com “fazer acontecer” e que, antes de consumir algo, devemos criar – ou seja, sermos produtivos, concluirmos tarefas, etc. Quando li pela primeira vez, isso me fez refletir sobre quantas vezes eu pesquisei, pesquisei, pesquisei e não concluí coisa alguma. Inclusive com textos para o Moderando (minha área de rascunho é cheia). Eu me perco vendo o que os outros estão fazendo. Por isso, por mais que a gente diga que as redes sociais podem ser uma grande fonte de inspiração, é necessário por a mão na massa também. Inspirações por si só não levam a nada.

 

4. As redes sociais atrapalham o seu convívio social.

Não é de hoje que nos atentam para essa questão, mas as coisas têm piorado, não acham? Eu tenho essa mania de contar quantas pessoas estão mais atentas ao celular do que à pessoa que a está acompanhando, e me surpreendo ao ver que tal hábito já é um padrão da nossa sociedade. Eu me policio muito para não cair na tentação de abrir a bolsa, pegar meu celular e checar e-mails ou se alguém curtiu a nova foto que publiquei enquanto almoço com o meu namorado, por exemplo. E eu percebo quando é ele que faz isso. Claro que tem vezes em que a gente simplesmente não quer conversar, ou casos em que precisamos ficar atentos a algo externo, mas, certamente, na maioria das vezes é algo impensável.

Convívio pessoal e social é importante. Caso você sinta que está negligenciando alguém nesse aspecto, é uma boa prestar mais atenção nisso também. Caso perceba que tem achado mais habitual (e/ou legal) atualizar o feed de minuto em minuto a conversar com seu amigo, intervenção já!

5. As redes sociais geram ansiedade.

Um exemplo prático? Opiniões grotescas sem qualquer fundamento no Facebook. Isso irrita você? Bom, me irrita muito. Tem vezes que eu perco toda a (pouca) esperança que tenho na humanidade, e, por já ter um perfil ansioso, sinto meu coração saltar pela boca.

É irônico que as redes sociais, ao aproximarem pessoas, também sejam capazes de afastá-las. Claro que cada pessoa tem o direito de ter seu pensamento sobre determinada questão, mas é muito fácil presenciar situações online de agressividade, em que não há respeito. Há muita gente se mostrando intolerante, e dói ver coisas assim pipocando na nossa frente. Se te afeta ou incomoda, o detox também é uma boa solução.

6. As redes sociais são uma distração.

Muitas vezes, usamos as redes sociais para esquecermos de outra coisa propositalmente. Não sei vocês, mas quando eu estou no clima da procrastinação, faço coisas aleatórias como abrir o app do instagram e ficar olhando as fotos publicadas usando uma hashtag qualquer, como #portlandvegan. Quando que eu vou viajar para Portand? Não sei. Mas, mesmo assim, se eu não cuidar acabo conferindo até posts de 2014.

Identificou-se com algum ponto?

Então talvez seja a hora de fazer um detox ou, pelo menos, observar mais sobre a maneira com a qual você está utilizando as redes sociais. Esforce-se! Na próxima semana, vou falar um pouco sobre o maior aprendizado que tive nesse período em que fiquei off.

Qual é a sua relação com as redes sociais?

Imagem: Unsplash

Só uma observação: quero que fique claro que eu realmente adoro as redes sociais e não acho de forma alguma que a culpa seja delas. O que é importante é prestarmos atenção nas nossas atitudes e, por vezes, precisamos agir de uma forma um pouco mais “dura” para melhorar as coisas.

  • Gabriela Dahmer Coitinho

    Que post incrível e me ajudou a ter mais certeza do que tenho feito. Já faz algum tempo que me distanciei um pouco do Instagram, pois antes era aquela coisa meio mecânica e excessiva, pois eu postava várias vezes ao dia, tinha que estar verificando sempre tudo que postavam. Embora eu ainda olhe todo meu feed e acompanhe o que as pessoas postam, não dou mais tanta importância e também não tenho urgência para isso. Algumas pessoas (anônimas, é claro) me cobram para postar mais, movimentar minhas redes sociais, tirar mais fotos e bla bla bla, pois eu sou blogueira e “querendo ou não tenho que manter tudo atualizado”. Como se isso fosse uma regra e obrigação, né? Mas eu não ligo, meu blog está sempre atualizado, mas também não me mato mais por isso, embora eu ame meu cantinho e me faça super bem escrever. Tenho um trabalho, curso, academia e outras coisas, tudo que venho conquistando depois que comecei a desencanar com esse lance. Sobre ficar mais ansiosa por causa das redes sociais, isso é fato na minha vida, infelizmente. Até é um dos motivos que me deixa mais aliviada por estar um pouco afastada de tudo.

    Beijos,
    Blog Gaby DahmerFanpage

    Bruna Zbk respondeu:

    Muito obrigada, Gaby, fico feliz que tenha gostado! ♥ Que bom que você está achando o seu equilíbrio também. É louco o tanto de cobrança que eu já enfrente, então consigo imaginar você que de fato trabalha no seu blog, tem contas com vários seguidores, etc. Difícil dar conta de tudo quando se tem toda uma vida fora também, né? Eu estou aos poucos aprendendo, mas jurei pra mim mesma que nunca mais ia chegar no fim do dia com a sensação de que foi tudo mecânico e ele só passou. 🙂

  • Duane Buture

    Ai Bruna, tô TÃO feliz que o Moderando voltou <3 <3 <3 Também dei uma desanimada nesse meio tempo, comecei a repensar certas coisas e utilizar o minimalismo como ferramenta (ainda não me considero minimalista de fato, mas utilizo os conceitos e está sendo muito bom). Várias vezes voltei aqui e li posts seus com outros olhos, tipo aquele da limpa nas redes sociais (o unfollow e unfriend rolou solto HAHAH). Esse detox digital eu venho fazendo todo domingo, fico totalmente off (ou quase) e sério, dá um baita alívio. É inevitável ficar se comparando quando olhamos fotos de outras pessoas. Vou abrir meu coração e dar um exemplo pessoal aqui: enquanto você ficava se comparando com a sua amiga e a compra da casa, eu ficava (e às vezes ainda fico) me comparando com colegas blogueiras que já tem quase 100K de seguidores e conseguem viver disso, chegando a fechar parceria pra fazer propaganda da Keds, enquando euzinha tô terminando a faculdade, não sei direito o que fazer da vida, já tenho dois anos de blog e o máximo que recebi foram R$100 de um publi. Aí entra aquela neura de ficar se cobrando, achando que não é suficiente, etc. Fato é que quanto mais futricamos perfis de pessoas com o mesmo estilo de vida que o nosso (ou que gostaríamos de ter), mais a autoconfiança fica minada. É realmente uma bosta. E MEU DEUS, como as redes sociais consomem tempo. É absurdo. Mas o que mais me irrita é o item 4, do convívio. Eu e meus amigos temos tipo uma regra, que nem você e seu namorado, de não ficar mexendo no celular enquanto estamos juntos. Acho que quando eu namorar essa regra também vai valer. Porque de que adianta estar ao lado da pessoa e ficar no celular? Nada! É tempo perdido, não vai voltar. Anyway. Muito obrigada por ter voltado ♥
    Beijos!

    claramenteinsana.com

    Bruna Zbk respondeu:

    Du, obrigada pelo carinho de sempre! ♥ Fico muito surpresa de meus textos terem ajudado de alguma forma (é uma surpresa pra mim, também!). Ai, qualquer hora dessas precisamos conversar sobre a vida. Tem muitos pontos que você colocou que eu estou me esforçando todos os dias para dar mais atenção. É um processo, mas precisamos agir, e acho que conversar com pessoas que têm valores parecidos só nos faz crescer. 🙂

  • Pingback: Ritual matinal: 5 passos para começar bem o dia()

  • Fiquei muito feliz com a volta do Moderando. Os posts de vocês são leves, cheio de conhecimento e adoro sempre dar uma passada por aqui. Coincidência ou não, estou com um post sobre isso no forno, mas focado em limpeza de redes sociais. Realmente, às vezes dar uma detoxicada desse mundo virtual é essencial pra garantir a qualidade de vida real…

    Um beijo! <3

    http://www.breakfortea.com

    Bruna Zbk respondeu:

    Thay, muito obrigada, fico feliz demais com o seu comentário. Sobre o post, é tudo uma questão de controle e moderação, né? Não é a toa que eu nomeei o blog como Moderando, hehehe. Vou adorar ler o seu post sobre o assunto.
    Beijos!

  • Pingback: Como descobrir o que faz você feliz em 5 passos()